Rearviewmirror – Por que o Pearl Jam ainda arrasta multidões por onde passa?

Pearl Jam

A típica pergunta que pode suscitar respostas confusas e desencontradas. Por qual razão? Eddie Vedder, Mike McCready, Stone Gossard, Jeff Ament e na bateria desde 1998, Matt Cameron do Soundgarden (antes dele foram bateristas do Pearl Jam: Dave Krusen, Matt Chamberlain, Dave Abbruzzese e Jack Irons), surgiram num dos momentos mais favoráveis da cena Grunge: Seattle havia se transformado num promissor celeiro de bandas de Rock Alternativo dos anos 90. E daí? Daí que como acontece com diversas bandas, poderiam não ter sobrevivido à moda, ou poderiam ter simplesmente se tornado um grupo parcialmente ausente dos holofotes e dos estúdios, mais uma banda fantasma – como de fato aconteceu com algumas de maior ou menor expressão. Não é incomum que dezenas de bandas surjam no momento de ascenção de um estilo e desapareçam sem deixar vestígios quando passa o burburinho da mídia, das gravadoras e das infindáveis propostas de shows.

Sendo assim, o que o Pearl Jam pode ter feito de tão diferente? Estão preparados? Então lá se vai o segredo mais evidente de toda grande banda de Rock: são honestos com eles mesmos desde o começo, só isso.

Eddie Vedder: credibilidade musical

Quando um artista assume uma postura que não condiz com suas crenças pessoais, mais cedo ou mais tarde isso acaba por vir à tona. Em contrapartida, quando sua postura inicial é honesta consigo e agrada ao público, logicamente jamais deixará de ser honesta com seus fãs pois não há máscara a ser mantida para fins comerciais, por mais que isso seja de fato um (prazeroso) trabalho. Suas características musicais podem sofrer acréscimos, releituras, novas influências, mas isso não fará jamais com que sua arte se desfigure. Um excelente disco de estréia como o Ten, ajuda? Certamente! Mas se logo de cara aquilo não fosse a verdade musical do Pearl Jam, não estaríamos hoje aqui assistindo embasbacados shows comemorativos de duas décadas de carreira e nos perguntando: como podem os caras desse álbum, serem os mesmo que estão ali mais adiante em cima do palco?

Vedder a pleno vapor

Lembro claramente dos ânimos acirrados na cena Rock ´N Roll em diversos episódios de 20 anos atrás, ou seja, radicais do Rock versus livres amantes do gênero. Em virtude do boom do movimento Grunge tentávamos nos adaptar ou ao menos entender como nós, enquanto músicos e fãs de Heavy Metal, Hard Rock, Punk Rock, Rock Progressivo entre outros tantos rótulos (na banda que tive com alguns amigos, havia os quatro casos citados e vivenciávamos isso quase diariamente), encontrávamos esse elo em comum, essa música relativamente simples, sem pirotecnias musicais, mas de tal forma densa, tão espiritualmente honesta que nos fazia bem mesmo em seus momentos mais soturnos. Claro que isso em muito agregou a quem soube separar o joio do trigo e aproveitar o melhor daquele que era à época, um ainda estranho e recém surgido estilo.

Pearl Jam - Ten

A musicalidade do Grunge – a despeito de muitos rejeitarem esse termo – que foi tantas vezes apontada por público e crítica como sendo “pobre” e desprovida de coerência harmônica, no caso do Pearl Jam se diferenciava – e ainda se diferencia – por não ter seguido a rigor as saturações sujas, afinações mal feitas e equalizações propositalmente mal acabadas que preponderaram entre diversas bandas do movimento, principalmente em um de seus mais emblemáticos representantes, o mitológico Nirvana do inesquecível Kurt Cobain. O Pearl Jam apareceu com a força de uma voadora na cara dos muitos detratores do mais jovem “filho” de Seattle, provando a todos que era possível fazer esse som sem apelar para arranjos exageradamente simples e demais detalhes técnicos cuidadosamente “amadores”.

De volta para o presente, 20 anos depois uma vez mais o Rock ´N Roll prova para uma multidão de fãs incrédulos (no bom sentido) e críticos outrora céticos (no mau sentido), que a música de qualidade segue sobrevivendo às gerações de péssimas bandas e artistas fabricados por gravadoras e empresários. Se alguém ainda duvida, basta olhar rapidamente pelo retrovisor da História do Rock…

RearviewmirrorPearl Jam

Fontes: http://www.pearljam.com/
http://www.wikipedia.org/
http://www.mail-archive.com/

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s