Archive for the ‘Goth Metal’ Category

20ª The Ace Of Spades Rock Party + Entrevista com o DJ Rodrigo Branco

Rodrigo Branco no estúdio da Rádio Kiss FM

Rodrigo Branco no estúdio da Rádio Kiss FM

Acho muito interessante ver uma festa de Rock como essa, com bandas autorais de todos os estilos, surgir e se desenvolver. Ainda mais em plena Rua Augusta, onde o Rock está diariamente presente até nos detalhes. Pude acompanhar e fotografar pessoalmente todas as edições sem falta até a 10ª. Depois, por fatores profissionais – entenda-se, horário preso nos empregos “convencionais” – acabei indo só em uma ou outra. E só eu sei o quanto isso me chateia. Valorizar bandas e músicos, prestigiar lugares como o Spades Café SP e o empenho desapegado do próprio Rodrigo, é extremamente importante para a cena Rock. Acompanho na maior parte do tempo à distância outras empreitadas que considero maravilhosas. É o caso do pessoal do Base Rock e da Gang da 13, por exemplo, que sou fã assumido tanto das bandas que ele reuniram, quanto de quem organiza e dá a cara pra bater. Contudo, a experiência de ver a coisa acontecendo, dia após dia, semana após semana, mês após mês, abre os nossos olhos para muitas coisas. Pude vivenciar isso com a The Ace Of Spades Rock Party por alguns meses. Ver a dinâmica, os altos e baixos, as dificuldades e as opiniões de público, estabelecimento e organizador diretamente dos mesmos, foi algo que me fez ter uma visão um pouco melhor como fã e mídia alternativa de Rock.

Posto isso, nada mais justo que com a 20ª The Ace Of Spades Rock Party, eu fizesse ao menos uma entrevista com Rodrigo, idealizador do projeto. Vamos adiante.

1-DSC09907-001

Guitar N Roll

1 – De onde veio a ideia da festa e do nome escolhido?
Rodrigo Branco: A ideia da festa veio da necessidade de abrir espaço para as bandas. Agora, felizmente, eu tenho visto mais iniciativas nesse sentido, mas até o ano passado estava difícil achar um lugar que desse espaço para as bandas com trabalho autoral. Eu acho importantíssimo incentivar isso, porque senão vamos ficar eternamente só tocando cover e é isso que está ajudando a matar a cena. Como eu tenho contato com bandas, conheço e recebo muito material, vejo que tem bastante coisa legal. A ideia era abrir espaço não apenas para as bandas de trabalho autoral, mas também que fosse uma casa bem localizada, no caso na Rua Augusta, não em um local fora de mão – e também em uma data boa. Normalmente só dão espaço pra autoral de domingo até 5ª feira. Numa 6ª ou sábado à noite é muito difícil. Eu consegui esse espaço no Spades na 6ª à noite e achei que seria uma coisa legal. Um espaço para as bandas na Augusta, um local que já tem público, já tem o pessoal do Rock. Quanto ao nome, veio a partir da junção do nome do lugar (Spades Café SP) com o lance da minha afinidade com o Motörhead. Acho que coincidiu até por eu ter uma tatuagem do ás de espadas no braço que é o símbolo da casa também, então achei que era um nome adequado.

2 – Como tem sido o feedback da festa? Como você analisa esse retorno?
Rodrigo Branco: Como tudo em Rock hoje em dia, o retorno fica abaixo da expectativa sempre. Das 19 festas feitas até hoje, poucas festas tiveram o retorno que a gente esperava. Acho que só uma surpreendeu e teve mais retorno do que o esperado. O feedback ainda é negativo, infelizmente. Talvez possa melhorar, mas até hoje fica devendo. Falta interesse e presença do público em geral mesmo: fãs e bandas. As pessoas falam muito que precisa ter espaço, mas quando tem esse espaço elas não valorizam como deveriam valorizar.

Aletrix E Rodrigo Branco

Aletrix e Rodrigo Branco

3 – Com tudo isso, qual fica sendo o objetivo da festa nesse contexto?
Rodrigo Branco: Então, o objetivo é não apenas dar espaço, como fomentar a cena. Em 6, 7 meses de festa, são 20 edições, quase 40 bandas diferentes. Dessas, duas eram covers variados e houve uma noite em que tivemos Ramones cover e um Nirvana cover, ou seja, dois covers específicos, mas de bandas que já não existem mais, isso é importante e acho que faz diferença. Tirando isso, são 36 bandas diferentes de som autoral, é bastante coisa. A intenção também é essa: criar um hábito de termos uma festa que sempre vai ter banda autoral tocando lá. Bandas boas, modéstia à parte. Sei que estou julgando muito pelo meu gosto pessoal, mas como eu conheço alguma coisa, evidente que eu não ponho qualquer banda. Ouço antes, vejo se é legal. Outra coisa é que a minha intenção como DJ não é ficar tocando somente as músicas de sempre, como em qualquer outra festa de Rock que você vá. A ideia é colocar músicas diferentes dos artistas conhecidos e também de outros que não tocariam em uma discotecagem normal. Quantas vezes eu estava tocando e as pessoas vieram até mim falando “porra, que som legal, não conhecia, nunca ouvi isso em lugar nenhum”. Embora seja muito difícil de se gerar esse sentimento, tive esse retorno. É um objetivo parcialmente alcançado. Mas eu sei que isso, criar esse hábito, ainda vai levar muito tempo.

1-DSC09277

Punch N Roll

4 – Você comentou sobre o seu set e as pessoas sempre falam disso. É uma coisa sua e você tem nisso uma parte significativa da sua identidade como DJ, esse fugir do “mais do mesmo”. Você fez questão de seguir montando seus sets dessa maneira? Como formatou isso?
Rodrigo Branco: Sim, sem dúvida. Minha intenção em qualquer festa que eu faça, é sempre apresentar alguma coisa diferente, fugir do clichê, porque acho que o clichê é um saco. A gente já vive uma vida de rotina em tudo. Você liga o rádio e estão tocando as mesmas músicas de sempre, na TV as mesmas músicas, em qualquer lugar. Então é legal modificar, mas eu sei que nem sempre isso é possível, principalmente quando você tem um viés comercial. Por isso que o rádio repete as músicas, televisão também, enfim, porque de certa forma as pessoas estão habituadas a ouvir o de sempre. Até por isso o cover faz muito sucesso na noite. A pessoa quer sair e ouvir aquilo que ela está habituada. Se você mostra algumas coisa diferente, muitas vezes ela não consegue se divertir com aquilo. Pra mim isso é estranho, porque eu gosto de música, então eu não preciso exatamente conhecer aquele som para curtir. Ainda assim, acho que você pode apresentar várias coisas que as pessoas conhecem – senão todo mundo, alguns vão conhecer – ou algo que ninguém conheça mas que vão se identificar de imediato. Nas minhas festas é claro que eu tento fazer algo que vá agradar quem estiver ouvindo, não sou egoísta, nunca fui assim no rádio e nem nas festas. Eu discoteco para o público, mas procuro entender o gosto dele e também fugir do óbvio. Essa festa como tem bandas, eu tento ver o que vai rolar e seguir um padrão. Se tem bandas punks, vou tocar punk, se tiver metal, vou tocar metal, se rolar pop, toco pop, seguindo o público que elas chamam pra não conflitar. Só que nenhuma festa eu deixo monotemática, gosto de variar entre estilos e épocas. Venho dos anos 50 até hoje e volto, mas faço uma coisa gradativa. Procuro não dar saltos, mas é claro que às vezes você pula de uma época pra outra porque as músicas combinam. Tento combinar por estilo, ou por época ou pelas duas coisas, mas nunca conflitar, digamos, um Punk com Progressivo. É preciso dar uma costurada.

1-DSC08136

Rock N Style

5 – Já conversamos sobre isso algumas vezes e vale perguntar: como você observa a frequência com que ouve bandas autorais novas e clássicas, sejam nacionais ou internacionais? Como isso afeta sua dinâmica como profissional da noite, de comunicação e especialista de Rock?
Rodrigo Branco: Como eu trabalho com isso diariamente, ouço música o tempo inteiro. Quando estou em casa e tenho um momento meu, a tendência é querer ouvir alguma coisa diferente. O clássico é o clássico, está lá eternamente pra gente ouvir. Tem algumas coisas novas que você precisa ouvir naquele momento, porque estão aparecendo ali e é interessante você saber agora, porque às vezes a coisa passa e se você não ouvir naquele momento, talvez você não ouça nunca mais. Eu ouço coisa nova com bastante frequência, todos os dias. Eu recebo muito material de banda e quando não recebo, estou procurando. Acho que as redes sociais têm essa função muito interessante que as pessoas não aproveitam. Passo um bom tempo no Facebook e muita gente diz “hoje em dia as pessoas perdem muito tempo com essa porcaria, essa bobagem de Facebook”, só que não é bobagem, não. Eu uso o Facebook como uma ferramenta de informação, então eu recebo muito material de todos os tipos e o tempo todo. Toda hora alguém indica alguma banda, os próprios músicos e eu fico sempre ligado. Quando ouço algo novo, incorporo ao meu conhecimento. Eu consigo curtir uma música nova, às vezes na hora, às vezes não. Acontece de você precisar se familiarizar, mas muitas vezes também conseguir gostar direto. Um dia postei no Facebook: peguei um álbum de uma banda que eu não conhecia, coloquei sem expectativa, que é o ideal. Na verdade achei até que não fosse gostar. Dei play e fui fazer outras coisas, distraído. Estava lá arrumando as coisas e de repente me peguei fazendo air guitar, então me liguei que já estava agitando ao som da banda. As pessoas precisam ter mais essa postura: ouvir e sentir a música, independentemente de já conhecerem ou não o som, sem julgamentos prévios.

6 – Que conselhos você daria para DJs e bandas que atuam ou querem atuar nessa área?
Rodrigo Branco: Profissionalismo sempre, em tudo. Se tocar com outros DJs, estar atento aos sets dos DJs anteriores para não repetir. Já aconteceu de eu repetir? Sim, por eu chegar depois, por estar em outro evento, por chegar em cima da hora, mas o ideal é ficar atento a isso. Acontece também no caso de estabelecimentos muito grandes, com sons em outros ambientes, mas mesmo assim precisa ficar ligado. E você percebe que tem gente que ouviu o que você tocou, mesmo assim repete e acha que não tem nada demais. Eu não repito nem a banda, acho chato. “Ah, mas era outra música” só que não importa, tocou aquela banda agora há pouco, tem tanta coisa que você pode tocar, você vai tocar a mesma? E quando uma banda vai tocar ao vivo, se for trabalho próprio, tudo bem. Já se for banda cover, eu procuro ver o setlist dos covers pra não correr o risco de tocar algo que vai ser ou que foi tocado na mesma noite. Prestar atenção nesses detalhes, não invadir o tempo alheio e tão pouco sair antes do seu horário. Esse tipo de coisa.

Punk N Roll

Punk N Roll

7 – Rodrigo, você é conhecido por “não negociar com terroristas” em se tratando de não abrir mão do que é certo em prol de um falso bom convívio – traduzindo, bater de frente com o que está errado, assumindo com isso todos os méritos e pedradas. Como as coisas deveriam funcionar na noite e como elas funcionam de fato? E como é que você se sente, sabendo que muitos usam essa ideia do “não se queimar”, baixando a cabeça para coisas erradas por receio, enquanto você faz o oposto?
Rodrigo Branco: Ah, velho eu me sinto meio isolado na verdade porque é difícil você ter esse tipo de postura. A maioria das pessoas não tem e se incomoda com a sua postura, isso é um problema. O que eu acho que falta é respeito antes de mais nada. Respeito ao profissional e fazer o que é certo. Combinado é combinado. Às vezes você combina uma coisa, mas na hora “não é bem isso”. Ou quando você tem um problema no local onde está tocando e o pessoal de lá caga e anda pra isso. Um problema do tipo: furtaram um equipamento seu e ninguém está nem aí. E eu não estou falando só de mim, estou falando de outros DJs que eu conheço em diversas casas onde isso já aconteceu e na hora em que você fala, os responsáveis pela dizem “a gente não pode fazer nada”. Também rola de você combinar com um organizador de festa um valor X de cachê, mas depois ele falar, “depois te pago porque não recebi da casa”. Aí você fica esperando e ele não te paga. Você vai cobrar da casa e falam pra você cobrar do cara, ficam os dois empurrando e você fica de otário nessa história. Então às vezes falta enxergar além de tudo, que eles estão trabalhando, no meu caso, com um profissional de mídia. Quando alguém me chama pra discotecar, eu não sou besta, eu sei que muitas vezes estão me chamando pela minha condição de locutor da Kiss FM. Chamam porque querem a divulgação que eu possa, eventualmente, fazer de graça do negócio. E também porque isso pode dar algum status, ter o locutor de uma rádio conhecida discotecando (sendo que eu normalmente cobro o mesmo valor que todo mundo cobra pra tocar). Só que se esquecem que na hora que pisarem na bola comigo, da mesma forma que eu posso fazer uma boa divulgação, posso fazer também uma má divulgação. Não é nenhum tipo de vingança, é uma coisa que acaba sendo até natural, as pessoas vão te perguntar, vão querer saber porque você não trabalha mais lá, enfim.

unnamed (27)

Attitude N Roll

8 – Pra encerrar, o que você acha que falta para o Rock no Brasil voltar a ocupar uma posição de status como aquela que já ocupou há muitos anos? Claro, como ele já foi de fato seria um sonho, mas dentro do mais próximo possível, qual seria um possível caminho?
Rodrigo Branco: Faltaria voltar no tempo, né? Não tem mais como, é outra época, a gente teria que mudar tudo. Porque o Rock não está mal só aqui, é no mundo todo, não tem mais aquela força que tinha antes. Aqui acho que falta um pouco de interesse do público, sair um pouquinho da zona de conforto, dar uma variada nos gostos, prestar atenção no que está sendo feito, parar com essa coisa de ficar esperando aparecer na mídia. As pessoas precisam consumir, ouvir o disco da banda nova, ouvir o mp3 e comprar o disco, ir aos shows ou que não comprem nada, mas que ouçam, que gostem, foi assim que as coisas sempre aconteceram. Só que antes havia o interesse da grande mídia, não adianta ficar só falando no âmbito das rádios especializadas, porque a Kiss está aí, a 89, mas o Rock só fez sucesso mesmo fora do circuito underground, a partir do momento em que foi abraçado pela grande mídia. Passou a tocar na grandes redes de televisão, rádios populares, só que isso não vai mais acontecer. Então as pessoas precisam conhecer as coisas por elas próprias, parar de ficar esperando que aconteça. Hoje em dia eu identifico dessa maneira: as pessoas esperam a música fazer sucesso para depois decidirem se elas gostam ou não. Deveria ser ao contrário. A pessoa ouvir e falar “isso aqui é legal”, começar a curtir e ir ao show, independente de estar cheio, se vai ser sucesso. Falta o público mudar de postura, parar de só criticar, ficar falando que o Rock brasileiro morreu. Não adianta ficar revoltado porque o Restart falou que foi a última banda relevante de Rock no Brasil, se a pessoa nem consegue citar 3 bandas novas legais que tenha ouvido em menos de 10 anos. Isso é culpa de quem? Só da mídia? Você vai ficar sempre culpando o outro? Você também não teve interesse, vai dizer que não viu esse tempo todo uma banda interessante que foi mostrada? Hoje em dia o veículo principal é a Internet, só que as pessoas não estão interessadas, elas ficam esperando a coisa fazer sucesso. Pela grande mídia não vai mais, então tem que ser por cada um mesmo.

E foi assim que terminamos essa conversa que poderia levar horas e dias. Não, não me esqueci de falar da 20ª The Ace Of Spades Rock Party. A pancada vem bonita nessa 20ª edição, com Stoneria e Vento Motivo.

Logo da banda Vento Motivo

Vento Motivo

A Vento Motivo conta com 15 anos de história, 4 discos lançados, sendo formada por músicos com uma longa carreira, como o guitarrista Kim Kehl, na ativa desde os anos 70. Ele já tocou com Lírio de Vidro, Made In Brazil, Nasi & Os Irmãos do Blues, entre outros. Um claro sinal de que eles sabem muito bem o que estão fazendo.

E com quase 10 anos de estrada, músicos experientes, centenas de shows no currículo, 1 EP e 1 disco lançados, junto com eles vem a Stoneria, que como o próprio nome diz, é rock pesado, com muita pegada e boas letras em português.

Logo da banda Stoneria.

Stoneria

Completa a noite no Spades Café SP, naturalmente, o DJ Rodrigo Branco, radialista e produtor da Kiss FM.

Fontes & Referências:
Página da festa: https://www.facebook.com/theaceofspadesrockparty
https://brancojukebox.wordpress.com/
http://www.ventomotivo.com.br/
https://www.facebook.com/ventomotivo
http://stoneria.com/
https://www.facebook.com/stoneriarock

1-DSC09340

Spades Café SP – Rua Augusta, 339 – Consolação – São Paulo/SP

Advertisements

“Mick James Is Dead” – Novo CD de Mick James

Mick James Is Dead

Mick James Is Dead

 Mick James ataca novamente com o seu Rock permeado por guitarras de peso e harmonias muito bem amarradas, remetendo a cenas de filmes de terror. Mas dessa vez trata-se de seu primeiro disco solo: Mick James Is Dead.

 Com uma produção acima da média, fruto de sua já vasta experiência como músico, produtor e engenheiro de som, Mick consegue uma vez mais envolver os fãs com uma sonoridade perturbadora, quase visível, praticamente tangível.

 Todos os elementos que fizeram com que se tornasse ainda mais conhecido através da trilha sonora do programa de Criss Angel, MindFreak, estão presentes e ainda mais depurados. Além do estilo de Mick em si, timbres e efeitos criam uma atmosfera que já é marca registrada de seu trabalho.

 Mick James Is Dead é composto por 15 faixas:

1– Goodnight!;
2– Speeding Like A Fiend – com Dave “Snake” Sabo (Skid Row);
3– 911 / Guess What Your Dead – com Tony Harnell (TNT);
4– Wake Up Dead & Gone;
5– Rippers Speech;
6– Piss On My Grave – com Bobby Rondinelli;
7– She’s Comin Ta Getcha /Necrophilia (The Necromanic) – com B. Rondinelli;
8– Another Cup of Coffee?;
9– Die Mother Fucker Die!;
10– It’s On!;
11– I Don’t Fight Fair;
12– Had Enough I”d Rather Be Dead;
13– Reality Check / I Can’t Get No Rest In Peace – com Ron “Bumbleefoot” Thal & Bob Rondinelli;
14– My Life Before Me;
15– Crash – com Bob Rondinelli.

 Há também um vídeo para uma das músicas, que funciona também como um pequeno, mórbido e divertido curta.

Speeding Like A Fiend Mick James (Official Video)

E para quem quiser conhecer um pouco mais sobre a carreira de Mick, já publiquei sobre ele aqui: https://rockuniverse.wordpress.com/2012/09/10/quem-diabos-e-micky-james/

Fontes & Referências:
Novo Site: http://mickjamesisdead.com/
Site Oficial e Loja -> http://www.mickyjamesfos.com/
Reverbnation -> http://www.reverbnation.com/mickyjamesfos
Facebook -> http://www.facebook.com/pages/MICKY-JAMES-OFFICIAL-FAN-PAGE/103779476342876?ref=mf
Twitter -> http://www.twitter.com/Mickjamesbitch
MySpace ->http://www.myspace.com/freedomofspeechrecordingstudio
YouTube -> http://www.youtube.com/MickyJamesFOS

Holiness – Dead Inside: première e vídeo oficial

Dead Inside: Holiness 2013

Dead Inside: Holiness 2013

Eles conseguiram novamente: superaram minhas expectativas. Desde que escrevi sobre a banda pela primeira vez, ainda na época de Into The Light (do disco Beneath The Surface, de 2010), nunca mais parei de acompanhar o trabalho da Holiness.

Sempre falei dos arranjos, das qualidades técnicas de seus integrantes, das músicas como um todo… e também dos clipes oficiais, que primavam – e ainda primam – pela produção muito acima da média, até mesmo se comparados aos de algumas bandas já estabelecidas na cena Rock do Brasil.

E o que já era foda, podia melhorar? Bom, pelo que vimos na madrugada de 7 para 8 de setembro, mais do que certamente.

Partimos pouco antes da meia-noite rumo ao Manifesto para assistir em primeira mão o lançamento do novo clipe da banda. Chegamos no meio do show da The Hammer (Motörhead Cover) e apesar de eu não ser muito afeito de bandas cover, há de se tirar o chapéu para os caras, pois realmente mandam muito bem em todos os quesitos, puta som fiel ao de Sir Lemmy e seus asseclas. Tão válido que não poderia deixar de mencionar. Só isso.

Dead Inside: Cristiano e Fabrício

Dead Inside: Cristiano e Fabrício

Mas voltando ao assunto, papo vai, papo vem, esbarro aos poucos com o Fabrício (guitarra), Cristiano (bateria), André (baixo) e com alguns membros da produtora Loud Factory – aliás, já havia sido apresentado a eles no Live Metal Fest II e fiquei com uma ótima impressão. Pouco antes de anunciarem, conversamos rapidamente também com Stefanie. Faço perguntas gerais sobre as expectativas de cada um para a recepção do novo vídeo e outras amenidades. Todos tranquilos, no máximo um pouco ansiosos (principalmente Stefanie), mas ainda assim sob controle.

O que se seguiu quando apertaram o play lá em cima, foi algo que desconfiei logo que soltaram o teaser há algumas semanas: o clipe de Dead Inside trata-se de um curta de terror maravilhosamente bem produzido em todos os sentidos. Sério, galera, ficou LINDO! Fotografia, iluminação, tonalidades, maquiagem, figurinos, locações, conceito… absolutamente tudo!

Logo da produtora Loud Factory

Produtora Loud Factory

Eu sempre elogio o profissionalismo da Holiness, mas a Loud Factory não fica nada atrás. A produtora é um incalculável achado para a banda e para o cenário de Rock/Metal, não tenho como dizer de outra forma: fiquei fã.

Já havia ficado bastante admirado com o trampo deles no 3º clipe da Holiness, Mine, mas agora estou completamente embasbacado. E não sou do tipo que se impressiona fácil, acreditem.

Por que eu ainda não tinha ouvido falar desse pessoal? Onde estavam se escondendo? Bom, não sei, mas agora não vou perdê-los do radar de forma alguma.

No novo clip, Stefanie é abordada por uma criatura inicialmente indefinida, se acaba de correr, fugindo pelo mato, saltando, caindo e lutando até chegar em uma casa, onde Cristiano abre a porta sem entender nada para receber sua mulher completamente apavorada. Não quero falar muito para não estragar, mas as cenas transitam entre o enredo em si, com o medo comendo solto e cenas da banda tocando em um lugar – e vez por outra elementos do enredo surgem também na maquiagem da banda, “fora” do filme que acompanhamos.

Holiness

Holiness

Olha, ainda não sei como o público em geral é capaz de ignorar as bandas da nossa cena underground. Não, eu não escrevo sobre todas, sei disso muito bem, mas ao menos procuro conhecer tudo para escolher honestamente sobre o que escrever. Minha ideia não é apoiar cegamente toda e qualquer banda, apenas aquelas que tenham afinidade comigo, com o Rock Universe e, principalmente, trabalhos nos quais eu acredite de fato. É exatamente o caso da Holiness e de algumas outras já publicadas ou ainda por publicar.

Cristiano_Reis_Dead_Inside

Cristiano Reis: Dead Inside

Cristiano Reis: brother, você tem uma pegada convincente demais no comando da batera. Às vezes é a força exata que joga no braço, outras vezes a sutileza nos detalhes do arranjo, sei lá. O fato é que dá gosto ver e ouvir você tocando. Em Dead Inside, parece que você usou tudo que tinha, parabéns meu velho.

André Martins no clipe Dead Inside

André Martins: Dead Inside

André Martins: você ainda é recente na banda, mas já ouvi um pouco do teu trabalho na Hatematter e gostei. Já na Holiness, pude ouvir mais atentamente seu baixo em Drowning e na própria Dead Inside. Que graves de presença, hein? O timbre, a rapidez, as marcações e as frases em que ouvi, (inclusive ao vivo, no LMFII) você dobrando com o Fabrício não deixam um único buraco, excelente mesmo. A maneira como você ligou tudo em Dead Inside, fez com que eu quisesse ouvir mais de qualquer banda em que você seja o baixista, palavra.

Foto de Fabricio Reis em Dead Inside.

Dead Inside: Fabrício Reis

Fabrício Reis: ah, meu velho, sempre esses teus solos, riffs, harmonias e texturas, né? Já falamos disso algumas vezes, mas gosto de repetir: de arrepiar, sou teu fã confesso. Não faço ideia de onde você tira tanta inspiração (efeito Mizuho?) e em Dead Inside você me fez ter vontade de brincar de guitarrista novamente. Que RIFFS SÃO ESSES??? Na primeira vez que ouvi, já na intro eu pensei “pronto, lá vem o guri me mostrar novamente que como guitarrista, eu sempre fui somente um vocalista metido a tocar guitarra mesmo”.

Stéfanie Schirmbeck da banda Holiness

Dead Inside: Stéfanie Schirmbeck

Stefanie Schirmbeck: sua vez, Stéfanie. Não satisfeita em ser a tremenda vocalista que é, ainda me faz uma letra dessas, corre muito e sai na porrada com o sobrenatural. Brincadeiras à parte, eu realmente gosto da letra – até mesmo porque, por um acaso, algumas frases ali parecem muito com coisas que digo e nas quais acredito. Sobre a sua voz, além da gama de recursos que você sabe utilizar muito bem, em Dead Inside tive a impressão de que realmente interpretou como nunca cada verso. Dramaticidade é essencial e foi isso que ouvi. De mais a mais, impecável como de costume, uma das mais legítimas representantes de alguém que sabe exatamente o que quer, como quer chegar lá e o que quer fazer quando chegar.

Enfim, agora chega de texto e vamos ao que interessa.

Dead Inside Holiness (Official Video)

Ficha Técnica:
Produced by Loud Factory
Directed by Fernanda Castro Nascimento & Vagner Meirinho
Screenplay by Vagner Meirinho & Holiness
Edited By Vagner Meirinho
Production Manager: Tiago Pardal Assolini
Costume and Make up: Maurien Trabbold
Direction Assistant: Letícia Calvosa
Production Assistant: Laudir da Silva Reis
Image capture by Tiago Assolini and Lucas Machado

Fontes, Referências e Links Relevantes:
Loud Factory: http://www.loudfactory.net/
Reverbnation: http://www.reverbnation.com/holiness
Facebook: http://Facebook.com/HolinessBrasil
Twitter: https://twitter.com/BandaHoliness
MySpace: https://myspace.com/officialholiness
YouTube: http://www.youtube.com/user/officialholiness/videos
Cat Corsets: http://www.catcorsets.com/
https://www.facebook.com/blackcat.trabbold
https://www.facebook.com/pages/BlackCat/142239892473792
Todas as matérias sobre a Holiness no Rock Universe: https://rockuniverse.wordpress.com/tag/holiness/

Drowning Ouça o novo single da Holiness (Áudio e Letra)

Arte da nova música da banda Holiness

Drowning: Holiness New Single.

 A banda Holiness parece dotada de uma doença incurável chamada “inquietação musical”. Ignoram totalmente o adágio popular de que “em time que está ganhando, não se mexe”. Não importa o quanto possa parecer arriscado, eles fazem questão de correr atrás e provar que podem fazer do excelente algo ainda mais incrível – e o que é melhor, sem descaracterizar sua personalidade artística.

Cristiano Reis e Stefanie Schirmbeck: baterista e vocalista da Holiness.

Holiness: Cristiano Reis e Stéfanie Schirmbeck.

 Desde antes do lançamento do single anterior, Dead Inside, eles chegaram a comentar abertamente em shows, que em 2013 poderíamos esperar por ótimas surpresas. Cá entre nós, eu ficaria surpreso somente se eles criassem algo de qualidade duvidosa, porque talento, garra e perfeccionismo são apenas algumas das assinaturas da banda. Seja em gravações de estúdio, em vídeos oficiais ou nos palcos, eles primam pela capacidade de se superar em cada riff, solo, batida ou simplesmente pela voz hipnotizante de Stéfanie. 

Formação da banda Holiness: André Martins, Stéfanie Schirmbeck, Cristiano Reis e Fabrício Reis.

André Martins, Stéfanie Schirmbeck, Cristiano Reis e Fabrício Reis: Holiness 2013

 Drowning me deixou orgulhoso como fã brasileiro de Metal. Orgulhoso pelo fato de ouvir mais uma banda brasileira, fazendo algo que normalmente fica restrito a poucas bandas hoje em dia: surpreendendo e acertando. Não é apenas mais uma música “legal”. É FODA. Não é mais um clichezinho fácil, fórmula pronta do tipo “vamos dar a eles aquele sonzinho óbvio, mas que já sabemos que vai agradar”.

 A música é apenas excelente, a letra é ótima e quanto à produção… ah, meu amigo, que PUTA produção. Esse pessoal da Loud Factory faz um trabalho de gente muito grande – não é à toa que a Holiness, com o padrão de excelência que costuma manter, se encontrou tremendamente à vontade com essa equipe. Conheci os caras no Live Metal Fest II, do qual a própria Holiness participou, e pelo pouco que pude perceber ao longo da conversa que tivemos, além do profissionalismo explícito (vide o single Dead Inside e também a gravação do clipe de Mine), são pessoas muito fáceis de lidar. Sou da política de que pessoas tranquilas, honestas, humildes e obstinadas, costumam produzir coisas boas em todas as áreas da vida. Seja no palco ou nos bastidores. Que a Holiness continue evoluindo e encontrando parceiros que façam por merecer o seu respeito e confiança. Long Live Holiness!

Drowning – Holiness (Official Audio Stream)

I’m sinking deeper in this mud
Feels like I’m drowning and I can’t escape
But I know I’m still breathing

Is there anyone listening?
Is there anyone sane in this selfish world?
I know I’ve got just one chance

I want to know what’s left behind
So I can move on again
With no sorrow or regret
I´ll keep the promisses I made
when everything is through

Everyday feels like a struggle
Don’t want to decide which side to choose
And I can hear you screaming

Every threat is real
Every mistake wouldn’t be my last
Don’t try to stand in my way

I want to know what’s left behind
So I can move on again
With no sorrow or regret
I’ll keep my promisses

With no one’s permission
Now I’ll write my own lines
This time

I used to feel
I was safe in this place full of lies
Now I believe everyone’s got they’re own truth to hide
Inside

Behind these walls, my thoughts
Under this skin, my scars
Inside this mind , my fears
I wish I could erase

I want to know what’s left behind
So I can move on again
With no sorrow or regret
I’ll keep my promisses

With no one’s permission
Now I’ll write my own lines

I want to know what’s left behind
So I can move on again
With no sorrow or regret
I´ll keep the promisses I made
when everything is through

Fontes, Referências e Informações Técnicas: Music by Stefanie Schirmbeck, Fabrício Reis & Cristiano Reis
Lyrics by Stefanie Schirmbeck
Produced by Critiano Reis & Fabrício Reis
Mixed and Mastered by Vagner Bigu (Loud Factory Productions/Studio): http://www.loudfactory.net/
Recorded by Adair Daufembach 
Artwork by Marcelo Campos

Reverbnation: http://www.reverbnation.com/holiness
Facebook: http://Facebook.com/HolinessBrasil

Dead Inside – Ouça o novo single da Holiness

Capa do single Dead Inside

Dead Inside – Novo Single da Holiness

 Já fiz algumas matérias com a Holiness e até uma entrevista in loco. A banda possui todos os atributos necessários, admiro demais o trabalho desenvolvido e sou um fã bem mais do que confesso. Como se tudo isso não bastasse, eles acabaram por me lembrar de uma qualidade artística importantíssima no meio musical: ousadia.

Holiness 2013

Holiness 2013

 Ousadia para arriscar, fugir do lugar comum e não cair na permanente armadilha da repetição. Ok, muitas bandas clássicas que se repetem soam maravilhosas, mas vivemos outros tempos e é bem difícil uma proeza dessas nos dias de hoje, se a sua banda não é um desses medalhões do Rock. Então, como fazer isso? Fazendo o que a Holiness fez.

 Lembrando que o Rock e a Arte em geral não podem se tornar prisões e têm muito mais facetas do que costumamos lembrar. Que um músico de Rock que se deixa aprisionar por supostas “regras”, fórmulas prontas, caminhos fáceis ou qualquer coisa que o valha, vai contra o espírito libertário do Rock. Torna-se um escravo. Está morto por dentro.

“Dead Inside” – Holiness (New Single)

Fonte: https://www.facebook.com/HolinessBrasil

While Your Lips Are Still RedNightwish (HD)

While Your Lips Are Still Red: vocal solo de Marco Hietala

While Your Lips Are Still Red: Marco Hietala & Tuomas Holopainen

While Your Lips Are Still Red é uma composição de Tuomas Holopainen e Marco Hietala que faz parte da trilha sonora do filme Lieksa!, do diretor finlandês Markku Pölönen. A música foi lançada no single Amaranth (2007) e conta apenas com Jukka Nevalainen (bateria) além dos próprios Marco e Tuomas em seu arranjo.

Trata-se de uma música suave e triste – ainda mais quando ouvida juntamente com seu vídeo oficial – mas, ainda assim, dotada de uma beleza e sobriedade que deixam ainda mais em evidência a maturidade lúdica de seus compositores. A voz de Marco, sem a habitual agressividade, pontuada pela voz ligeiramente dramática de Tuomas nos backing vocals, criam juntas uma atmosfera serena e incomum à figura de ambos. Um verdadeiro mérito dentro da atual cena musical afogada em velhos e cansativos clichês.

While Your Lips Are Still Red  – Nightwish

“Sweet little words made for silence
Not talk
Young heart for love
Not heartache
Dark hair for catching the wind
Not to veil the sight of a cold world

Kiss while your lips are still red
While he`s still silent
Rest while bosom is still untouched, unveiled
Hold another hand while the hand`s still without a tool
Drown into eyes while they`re still blind
Love while the night still hides the withering dawn

First day of love never comes back
A passionate hour`s never a wasted one
The violin, the poet`s hand,
Every thawing heart plays your theme with care

Kiss while your lips are still red
While he`s still silent
Rest while bosom is still untouched, unveiled
Hold another hand while the hand`s still without a tool
Drown into eyes while they`re still blind
Love while the night still hides the withering dawn”

Fonte: http://nightwish.com/pt/

Nightwish – Resenha do show no Credicard Hall, em São Paulo, 12/12/12

Nightwish Resenha Show Credicard Hall, São Paulo, 12/12/12

Nightwish – Credicard Hall, São Paulo, 12/12/12

Surpreendente. Sim, em uma palavra seria isso mesmo. Não que eu esperasse menos de uma banda como o Nightwish, mas francamente a banda saiu-se ainda melhor do que eu já esperava.

Estive no show que eles realizaram há 10 anos no Rio de Janeiro (na época ainda com Tarja), e fiquei bastante impressionado com a performance individual de cada um dos integrantes. Esse show de 2002 foi determinante para eu realmente me tornar fã da banda, passando a acompanhar cada movimento do quinteto. Mas vamos retornar a 2012 e falar o que rolou ao longo da noite de 12/12/12.

A despeito do trânsito que estava um tanto tumultuado – pois tratava-se de uma quarta-feira, ou seja, dia de jogo em São Paulo -, chegamos ao local pouco antes de 22:00h. Infelizmente não assistimos a banda de abertura, Tierramystica, mas pelo pouco que já ouvi deles o som parece realmente muito bom. De mais a mais, o que todos aguardavam para aquela noite memorável, era a apresentação do Nightwish.

Nightwish Credicard Hall 12/12/12

Nightwish – 12/12/12

Ao som de Crimson Tide (de Hans Zimmer) como introdução, a banda subiu ao palco emendando Storytime e o público demonstrou que mesmo as canções novas têm sido muito bem recebidas. Cá entre nós, fiquei bastante surpreso pela reação dos fãs às músicas mais recentes, afinal de contas, Tarja Turunen marcou a história da banda; e Anette Olzon ficou bem abaixo de qualquer expectativa, a ponto de praticamente sofrer bullying pelos próprios fãs da banda. Mas naquela noite o barco tomaria outro rumo, pois a mulher que atualmente ocupa o posto de vocalista (até então temporariamente), é uma bela e talentosa holandesa com mais de 1,80 m, dona de uma voz potente, afinada e maravilhosa, que atende por Floor Jansen.

“Mas ao vivo a voz se parece um pouco com a de Tarja?” – Olha galera, acho que muita gente fica lembrando da abordagem 100% lírica da pequena gigante, mas esquecem que há mais de um caminho para um agudo ou para uma boa execução. Tarja Turunen é fenomenal, sou muito fã dela e etc, mas Floor Jansen alcança notas fundamentais e com uma potência que me chamou a atenção várias vezes. Ela mescla as técnicas para ir “construindo o caminho”, valendo-se ainda da pegada mais Heavy do que Lírica em muitos momentos. Não, sua voz não se parece com a de Tarja e nem por isso é menos do que fantástica. Quem conhece o trabalho dela no After Forever (e no ReVamp) sabe do que estou falando. E se quisermos ouvir Tarja cantando hoje em dia, basta ouvirmos a carreira solo dela que também é excelente.

Floor Jansen simplesmente teve todos em sua mão do começo ao fim do show, essa é a grande verdade. Convenhamos que é uma tarefa bastante ingrata substituir Tarja, os fãs são exigentes e detalhistas. Anette que o diga. Conduzir os vocais de Storytime é claramente algo bem tranquilo. E quando começassem as músicas da fase Tarja, o que esperar? Pois eu lhes digo: que o show não acabasse nunca mais! Quando os primeiros versos de Wish I Had An Angel começaram, o Credicard Hall cantava em uníssono – inclusive esse que vos fala. Foi nesse instante que tive certeza absoluta de que aquela mulher deveria permanecer na banda. A energia e cumplicidade dos fãs para com a vocalista já estava selada.

Vejam o final de Wish I Had An Angel nesse show memorável:

Na sequência pudemos assistir Amaranth e Scaretale, que serviram para os fãs mais antigos absorverem o real impacto das composições pós-Tarja Turunen ao vivo. Tuomas Holopainen (teclado) é inegavelmente um dos atuais melhores compositores da cena Metal, chega a ser algo impressionante. Marco Hietala (baixo/vocal) continua tendo a presença de um viking no palco: canta, brinca e berra como se estivesse curtindo tanto quanto um fã de primeira viagem. E que voz de bárbaro, hein? Realmente é um tremendo vocalista. Eu que já era fã do cara, nem sei mais o que dizer.

Nightwish e Marco Hietala em São Paulo

Nightwish: Marco Hietala

Jukka Nevalainen continua martelando sua bateria com a precisão e o vigor de um pirata furioso, com sua bandana praticamente encobrindo os olhos. Parece que cada música será sua última, haja fôlego. Emppu Vuorinen, como de costume, esbanja técnica e simpatia: sorri, acena, faz pose de fortão com cara de mau e sobe em lugares, fazendo meio que piada com sua própria altura – o sujeito parece ser mais baixo que eu, e olha que tenho somente 1,67 m. Houve ainda a participação de Troy Donockley com sua uilleann pipes, dando um toque folk e fazendo valer a fidelidade de estúdio em canções como a belíssima The Crow, the Owl and the Dove.

Ever DreamNemo e Wishmaster  também marcaram presença entre os clássicos da banda. A química de palco entre Floor Jansen e o pessoal no Nightwish é tão bem lapidada, que é até estranho falar de Floor como se ela já não fosse integrante definitiva.

Show do Nightwish em 12/12/12 no Credicard Hall

Nightwish – Floor Jansen merece o posto!

Dark Chest Of Wonders, I Want My Tears Back, Over The Hills And Far Away (cover), Last Of The Wilds, Ghost Love Score, Song Of Myself e Last Ride Of The Day completaram o set. Já que tocaram músicas bem mais recentes (com as quais ainda não estou totalmente acostumado) para mostrar que não vivem somente de passado (o que está mais do que certo, afinal de contas continuam fazendo grandes músicas), posso dizer que poderiam ter acrescentado The Islander ao set.

Espero que mantenham Floor Jansen e que gravem um novo disco o quanto antes. A banda merece uma nota 9,25 por esse show inesquecível.

Show do Nightwish em 12/12/12 no Credicard Hall

The Mists Of Nightwish

Show do Nightwish em 12/12/12 no Credicard Hall

Nightwish – Tuomas Holopainen regendo e comandando os teclados ao lado de Marco 

Show do Nightwish em 12/12/12 no Credicard Hall

Nightwish – 12/12/12

Show do Nightwish em 12/12/12 no Credicard Hall

Troy Donockley em um dos momentos de sua participação no show

Nightwish: Emppu Vuorinen

Nightwish: Emppu Vuorinen, o guitarrista

Nightwish: Jukka Nevalainen

Nightwish: Jukka Nevalainen, o baterista

Show do Nightwish em 12/12/12 no Credicard Hall

Nightwish após a missão cumprida

O saldo final da noite, foi a sensação de ter testemunhado um dos melhores shows de Metal de 2012. Grandes músicos, uma grande banda e a certeza de que o quinteto ainda tem muita lenha para queimar. Rock On!

Fotos e Vídeo: Mauricio R. Cozer e Luciano Watase.

Fontes e Referências: http://nightwish.com/

http://www.tuomas-holopainen.com/

http://floorjansen.com/