Archive for the ‘Hard Rock’ Category

Greta Van Fleet: herdeiros do Led Zeppelin?

Foto de Jake Kiszka, guitarrista do Greta Van Fleet.

Greta Van Fleet: Jake Kiszka | Foto: Jazmin Monet


Vocês não têm noção de quantas vezes comecei, parei e retomei este artigo.
Acho que foi entre o final de 2017 e o começo de 2018. Motivos variados. Às vezes questões mais sérias, outras, apenas uma descrença das reações. Ambas permeadas pelo cansaço de algo que não deveria ser como é, fosse política ou a cena Rock. Período bastante turbulento aqui no Brasil.

Seja como for, depois de terem passado pelo Lollapalooza Brasil 2019, vendo que muito mais fãs de Rock brasileiros conheceram a banda, achei válido finalmente tirar da gaveta essa questão. A polêmica, que já não era pouca, reacendeu com tudo. E o Rock, como qualquer outra manifestação cultural, sempre merece algum nível de reflexão, pois não está fora das dinâmicas e confusões humanas. Ainda que seja em algo de interesse tão interno e restrito.

Bom, Greta Van Fleet, dentre todas suas influências, transpira, grita e sangra Led Zeppelin a cada nota, sílaba e batida. E aí, para muitos, começa o problema.

“É a salvação do Rock!” x “Farsantes!”

Greta Van Fleet

Greta Van Fleet | Foto: divulgação

A partir daqui as opiniões dividem-se radicalmente. E quando digo “radicalmente”, estou falando de gente que ama e de gente que, se pudesse, acho que iria às vias de fato com os caras no meio da rua.

Quem acredita que isso não seja uma vantagem tão grande quanto possa parecer, muito pelo contrário, aponta elementos tais como a banda “não apresentar uma identidade própria” ou até mesmo surgem ataques os chamando de oportunistas. Isso para ilustrar as acusações mais educadas.
Quem vê como extremamente vantajoso, nos lembra que vivemos tempos de franco declínio musical para amantes de Rock pelas mais diferentes razões, portanto, tal resgate, uma banda nova soando como revival dos anos 70, seria “a melhor solução” para despertar a juventude que não teria motivos para conhecer o estilo.

Eu, enquanto fã ardoroso de Led Zeppelin, não vejo como farsa alguma. Para ser bem claro, gostei bastante de tudo. Timbres, harmonias, solos, proposta visual e um ponto a mais pela total imersão nas redes sociais – estão sabendo usar o melhor dos dois mundos. Musicalmente considero um legado do Led e quero acompanhar sua evolução.

Aliás, vamos à ficha oficial da banda. Isso vai nos ajudar a refletir um pouco melhor sobre identidade, formação musical, futuro de seu trabalho, etc:

Joshua Kiszka, vocalista, 22 anos – nascido em 23 de abril de 1996;
Jake Kiszka, guitarrista, 22 anos – irmão de Josh, nascido em 23 de abril de 1996 (sim, são gêmeos);
Samuel Kiszka, baixista e tecladista, 20 anos – irmão caçula de Josh e Jake, nascido em 3 de abril de 1999;
Daniel Wagner, 19 anos, baterista, amigo de longa data que entrou na segunda formação da banda (substituindo Kyle Hauck em outubro de 2013) – nasceu em 29 de dezembro de 1999.

Sam Kiszka, baixista e tecladista do Greta Van Fleet.

Greta Van Fleet: Sam Kiszka | Foto: divulgação

Bastante jovens, não? Quando eles nasceram eu ainda tinha banda, fazia jams e estava começando a faculdade. Essa juventude contrasta um pouco com as composições e performances ao vivo – ainda que nitidamente zeppelianas, já sei. A despeito da sonoridade – que tem como pilar a voz de Josh soando como Robert Plant -, as estruturações harmônicas e produção são fundamentais. Quando aponto repetidamente para a juventude dos integrantes, é o caso daqueles que espumam de raiva contra o GVF colocarem a mão na cabeça por um instante, baixarem a adrenalina e pensarem: que banda nasce pronta? Que banda começa escapando de soar como suas referências? Será que eles estouraram antes da maturação mínima?

“Mas eles não soam parecido, eles copiam mesmo e…” – Acho uma graça esse argumento. Principalmente porque há dezenas de bandas que são, literalmente, cópias umas das outras e muitos dos que falam isso são, por incrível que pareça, fãs das originais e de cada uma das suas cópias. Há estilos onde as bandas se parecem mais do que em outros, mas nem vou me aprofundar aqui.

“Ah, mas até os trejeitos o vocalista imita e…” – Olha, quando eu assisto um show de thrash, hard farofa ou metal melódico, por exemplo, se eu colocar o volume no zero e olhar de longe, não vou saber dizer com 100% de certeza qual banda está ali. Várias jamais vou acertar pra ser honesto – e olha que sou ou fui fã de muitas delas. Se trocar a cenografia de uma pela outra, ainda sem aumentar o volume, ninguém vai notar. Praticamente todas são fotocópias em suas performances ao vivo. Movimentos, jeito de bater cabeça, jogar cabelos, etc. Raros vão escapar, mas justamente por terem um repertório de expressão corporal tão único, exclusivo, que são criadores de uma coleção de movimentos totalmente nova no Rock (Axl Rose que o diga). O passo seguinte é óbvio: fulano é quem usa tal roupa, beltrano é quem usa tal modelo de guitarra nessa cor. Mas aí já saímos dos trejeitos, certo?

Quanto ao background musical, a bio da banda ressalta que os irmãos Kiszka foram criados ao som de generosas coleções de vinil de seus pais, evidenciando que isso influenciou muito seu estilo de Rock N Roll.
Você pode até argumentar que não é inédito, que não serviria como justificativa para soarem tão anos 70, ainda mais uma única banda especificamente, então aqui eu repasso uma pergunta retórica que um amigo me fez quando mostrei Greta Van Fleet para ele no começo de 2018: como um jovem com registro vocal tão parecido com o de Robert Plant conseguiria fugir de soar Led Zeppelin? Se fugisse, certamente seria cobrado por isso. Se abraçasse, seria cobrado e, pior, acusado de picareta – o que é o caso dos que se revoltaram contra Josh e cia.
Devo dizer que concordo plenamente com ele.

“Mas isso não pode ser uma faca de dois gumes?”
Certamente. Contudo, essa busca por identidade acontecerá naturalmente. Apesar de ter surgido em 2012, a banda somente se profissionalizou e mostrou a cara para o mundo em 2017. Evidente que o carro-chefe, o que chamou a atenção de todo mundo, foram as músicas que mais soam como takes perdidos do Led Zeppelin. E poderia ser diferente? A voz de Robert Plant e as atmosferas instrumentais criadas juntamente com Jimmy Page, John Paul Jones e John Bonham são um tesouro musical. Como já citei, eu mesmo fui músico e era vocalista. Se eu tivesse, com a idade de Josh, um domínio e timbre tão similar a um cara como Robert Plant, sem a menor sombra de dúvida usaria – inclusive, cada vez que conseguia cantar uma única música do Led com um mínimo de dignidade, era um momento orgástico. Estou focando no vocalista pois é o integrante mais questionado quanto à identidade musical do Greta Van Fleet – e olha que os outros três membros da banda também explicitam a polêmica referência cada um em seu instrumento, mas Josh é o alvo favorito das críticas.
Vejo dúzias de guitarristas emulando colegas famosos. Tecladistas. Baixistas. Bateristas. Mas se um vocalista tem a “infelicidade” de, naturalmente, soar como um outro famoso, há grandes chances de o criticarem e questionarem. A quantidade de guitarristas dos anos 90 e começo de 2000 que você poderia simplesmente, em estúdio, intercambiar entre suas bandas sem ninguém perceber…
Para “piorar”, a banda por si só tem também bastante influência de ícones dos anos 70 em geral, não apenas Led. Completando o quadro, os quatro nitidamente gostam do apelo visual dessa década, que podemos ver nas roupas e no material gráfico de divulgação, fotos e vídeos, ou seja, polêmica armada nos detalhes.

Daí eu fico pensando: se uma banda é boa, mas não soa como nenhuma famosa, muita gente não consegue gostar (e alega isso). Se é mediana, mas soa como alguma famosa, idem. Se tem som excelente, mas visual neutro, reclamam. Se… reclamam. Se… reclamam. Se… reclamam. Então várias dessas bandas, reais e hipotéticas, somem ou desistem, as mesmas pessoas vão se lamuriar nas redes sociais sobre a “ausência de bandas novas de Rock” e culpar outros estilos musicais.
Vou contar um segredinho: nada é perfeito, gente. Nada e ninguém. Tudo evolui, nada nasce pronto e imutável. Não será diferente com a Greta Van Fleet.

Greta Van Fleet: Danny Wagner | Foto: divulgação

Greta Van Fleet: Danny Wagner | Foto: divulgação

Vale levantar também um aspecto muito importante que muitos esquecem: vocês têm ideia de quantos jovens podem finalmente conhecer ou passar a ouvir Led Zeppelin por terem gostado do Greta Van Fleet? Pois é, ainda tem mais essa, gostem ou não.

Greta Van Fleet é uma boa banda recém-nascida e, sobrevivendo às polêmicas, comparações e cobranças, encontrará sua identidade pela maturação natural a qual não podemos saltar etapas, independente de qualquer outro fator. A banda é jovem. Os integrantes são (muito, extremamente) jovens. Até lá, que maravilha que em um período embrionário vital para qualquer banda se encontrar depois do primeiro momento de sucesso, soem fielmente “apenas” como Led Zeppelin ou qualquer uma de suas ótimas influências. Imaginem o que podem estar compondo e reinventando daqui a 10, 15, 20 anos.

Além do Led, Greta Van Fleet bebe nas seguintes fontes (informação oficial, ok?): Robert Johnson, Howlin Wolf, John Lee Hooker, Muddy Waters, Cream, Jimi Hendrix, Janis Joplin, The Who, Eric Clapton, Black Sabbath, Deep Purple, Willie Dixon, Albert Collins, Jefferson Airplaine, The Doors.

Assistam trechos de algumas apresentações e ouçam abaixo algumas músicas (na sequência, depois de tudo isso, lá embaixo, minhas considerações finais):

Safari Song – Greta Van Fleet (Official Video – Live In The Sound Lounge)

Flower Power – Greta Van Fleet (Official Video – Live At Troubador)

When The Curtain Falls – Greta Van Fleet (Official Video)

Black Smoke Rising – Greta Van Fleet (Official Studio Audio)

Highway Tune – Greta Van Fleet (Official Video)

Watching Over – Greta Van Fleet (Official Studio Audio)

Anthem – Greta Van Fleet (Official Studio Audio)

Segue também a análise de Gastão Moreira. Para quem não conhece, uma autoridade em Rock, que tem em seu currículo, MTV com Fúria Metal e Gás Total; TV Cultura com Musikaos; diretor do documentário “Botinada: A Origem do Punk no Brasil”; Kiss FM com o Gasômetro; e um canal super legal no YouTube chamado Kazagastão, onde analisa passado, presente e futuro do Rock no programa Breve Lero.

Fiz questão de buscar ao menos um especialista em Rock com pensamento similar ao meu sobre a banda, apesar de saber que outros que admiro e respeito profundamente (em alguns casos, até tenho como amigos pessoais fora da Internet), discordem.

Acredito que a Greta Van Fleet mereça, além de um mínimo de respeito, a chance de ao menos tentar passar pelo teste do tempo. Memória histórica do Rock: muitas bandas e artistas hoje consagrados, lendas vivas e mortas, passaram por ataques idênticos ao que esse jovem quarteto tem passado exatamente pelos mesmos motivos.

Para finalizar, antes que eu me esqueça, mesmo as bandas clássicas ditas totalmente originais, sem nada igual antes delas, literalmente nem sequer tinham de onde copiar algo, ou seja, não havia outra opção que não criar absolutamente tudo, os pilares do Rock e dos subgêneros que herdamos. No máximo começaram tocando ou reinterpretando alguns Blues, Folks e etc, pouco tempo depois, acabaram inventando praticamente do zero quase tudo que hoje conhecemos como Rock. A herança é gigantesca, mais de meio século de linguagens, recursos e experimentos. Em algum momento iríamos retornar às origens. E talvez estejamos no início desse retorno.

Josh Kiszka, vocalista do Greta Van Fleet

Greta Van Fleet: Josh Kiszka | Foto: divulgação

Fontes: http://www.gretavanfleet.com/
https://www.facebook.com/gretavanfleet/
Kazagastão: https://www.youtube.com/user/heavylero1

Advertisements

Guitarrista, filho de Branco Mello dos Titãs, também toca baixo na banda Tales From The Porn Criado em 2011, o grupo paulistano Sioux 66 traz em sua bagagem o EP “Sioux 66” (2012) e os álbuns “Diante do Inferno” (2013) e “Caos” (2016), trabalhos que o colocaram em uma posição de destaque no rock pesado…

via Sioux 66: Bento Mello fala sobre a mudança de formação e novo single — Rockarama

 

6ª Rebel Rebel – João Suplicy e o Rock do João no Inferno Club

6ª Rebel Rebel - João Suplicy e o Rock do João

Dia 02/07, no Inferno Club, na 6ª edição da festa Rebel Rebel.

Aproveitando uma pausa na parceria com o irmão Supla na dupla Brothers of Brazil, João apresenta o show de seu novo projeto: João Suplicy e o Rock do João. Mesclando clássicos do Rock ‘n’ Roll, de Elvis Presley a Roberto Carlos, com ótimas composições próprias, ele é acompanhado por uma autêntica e experiente banda de Rockabilly e Boogie-woogie.

Além do próprio João (vocal, guitarra e violão), a banda conta ainda com Danyael Lopes (baixo acústico e vocais), Jeff Billy (bateria e vocais) e Jorge Cirilo (saxofone e vocais).
No palco eles vão fazer aquilo que mais sabem e que fica comprovado a cada show: energizar a audiência com o que há de mais original nas raízes do espírito do Rock.
Para completar a noite da apresentação, os DJs Rodrigo Branco (Kiss FM), Cadu Pelegrini (Kiara Rocks) Sammy Glitz e Humberto Luminati vão percorrer a história do Rock ao longo das décadas.

6ª Rebel Rebel – João Suplicy e o Rock do João no Inferno Club

Promoção da Rebel Rebel

SERVIÇO
Local: Inferno Club
Endereço: Rua Augusta, 501, Consolação, São Paulo.
Tel.: (11) 3120-4140.
Data: Sábado, 02/07, a partir das 23h30.
Lista até 1h: R$ 20,00 entrada ou R$ 40,00 consumo.
Lista após 1h: R$ 25,00 entrada ou R$ 50,00 consumo.
Lista: lista@infernoclub.com.br
Sem lista: R$ 30,00 entrada ou R$ 60,00 consumo
Camarote Open Bar R$ 70,00.
Reservas para Open Bar pelo e-mail: lista@infernoclub.com.br e no assunto: Open Rebel.
Promoções
Double Vodka: 23h30 – 1h
– Double Jager: 3h – 4h
– Aniversariante da semana + acompanhante são VIPs. Levando 15 convidados pagantes, ganha uma garrafa de vodka Skyy. Envie sua lista para lista@infernoclub.com.br até as 21h.
Sorteios
– Serão sorteados uma tatuagem e CDs, ao vivo no palco, entre todos que estiverem na festa.
Atenção: É proibida a entrada de menores de 18 anos (mesmo acompanhado dos pais). Necessária a apresentação de documento oficial original e com foto recente.

Inferno Club: http://www.infernoclub.com.br/
Facebook Rebel Rebel: https://www.facebook.com/RebelRebelRockParty/
Facebook Inferno Club: https://www.facebook.com/InfernoClube/

APOIO
KISS FM – Não Deixe o Rock Sair de Você
http://www.kissfm.com.br
OUI Comunicação – Assessoria
https://www.facebook.com/ouicomunicacao
Oval Tattoos
https://www.facebook.com/oval.ganesha
Black Rock Shop – CDs, DVDs, Vinis, Camisetas
http://www.blackrock.net.br

Rebel Rebel – 5ª edição da festa que vem agitando São Paulo no Inferno Club

Famoso pelas grandes festas e por ser um legítimo representante da boemia Rock N Roll da Rua Augusta, o Inferno Club segue firme fazendo jus à fama.

The Ace Of Spades Rock Party

Rodrigo Branco no Inferno Club

Com a participação dos DJs Rodrigo Branco (Rádio Kiss FM), Humberto Luminati, Sammy Glitz, Julia Bueno e Diego Barezi, a Rebel Rebel, já em sua 5ª edição, apresenta o melhor do Rock e do Pop dos anos 80, sem deixar de lado o melhor dos anos 60, 70, 90 e atualidades.

A Rebel Rebel viaja no tempo, passando por Ramones, James Brown, Sex Pistols, Iggy Pop, Joan Jett, Amy Winehouse, The Smiths, Talking Heads, Arctic Monkeys, Joy Division, A-Ha, The Cure, AC/DC, Kiss, Madonna, REM, Duran Duran, Red Hot Chili Peppers, New Order, Guns N Roses, Kaiser Chiefs, Camisa de Vênus, The Clash, Depeche Mode, Black Keys, Capital Inicial, Bon Jovi, Blondie, Green Day, U2, Michael Jackson e, obviamente, David Bowie entre muitos outros. São mais de quatro décadas de hits que marcaram a história da música.

Nesta edição da festa, além dos grandes sets com alguns dos melhores DJs de São Paulo, o Inferno Club leva para o palco a banda Rockin Stones, prestando um sensacional tributo aos Rolling Stones.

SERVIÇO
Local: Inferno Club
Endereço: Rua Augusta, 501, Consolação, São Paulo.
Tel.: (11) 3120-4140.
Data: Sábado (04/06), a partir das 23h30.
Lista até 1h: R$ 20,00 entrada ou R$ 40,00 consumo.
Lista após 1h: R$ 25,00 entrada ou R$ 50,00 consumo. lista@infernoclub.com.br
Sem lista: R$ 30,00 entrada ou R$ 60,00 consumo
Camarote Open Bar R$ 70,00.
Reservas para Open Bar pelo e-mail: lista@infernoclub.com.br e no assunto: Open Rebel.
Apoio: Rádio Kiss FM.
Promoções
– Double Vodka: 23h30 – 1h
– Double Jäger: 3h – 4h
– Aniversariante da semana e acompanhante são VIPs, e levando 15 convidados pagantes, ainda ganha uma garrafa de vodka Skyy. Lista para lista@infernoclub.com.br até as 21h.
Atenção: É proibida a entrada de menores de 18 anos (mesmo acompanhado dos pais). Necessária a apresentação de documento oficial original e com foto recente.

Fontes e Referências: 
OUI Comunicaçãohttps://www.facebook.com/ouicomunicacao/
Rebel Rebel: https://www.facebook.com/RebelRebelRockParty
Inferno Clubhttps://www.facebook.com/InfernoClube/

“Love’s Gone To Hell” – Doro Pesch (Official Video)

Love's Gone To Hell

Love’s Gone To Hell

Sim, eu sei que sou fã de Doro Pesch. Muito. Se você já visitou o Rock Universe mais de uma vez, talvez deva ter visto algumas matérias sobre seu trabalho ou tags referentes. Só que essa mulher merece nossa reverência. Além de ser uma simpatia e atuar em causas nobres, é uma artista fantástica. Claro que sua beleza chama demais a atenção, isso não é novidade, mas quando o talento excede (e muito, muito mesmo) a média, isso se torna apenas um recurso secundário, opcional, reservado para fotos e vídeos.

O single Love’s Gone To Hell, que será lançado em 1º de abril, trata-se de uma power ballad de respeito, escrita por Doro e Andreas Bruhn, contando com os talentos individuais de Johnny Dee (bateria), Nick Douglas (baixo), Bas Maas (guitarra), Luca Princiotta (guitarra) e Harrison Young (teclado).

A Música (sim, “Música”, com inicial maiúscula) combina uma linha vocal cativante (e convenhamos que o timbre da Metal Queen continua lindo, hipnótico), guitarras com arranjo e peso dramáticos, típicos do estilo, baixo e bateria que apontam a direção e martelam o ritmo de maneira eficaz, remada a remada, sem firulas e de maneira firme, além de uma introdução de piano cujo tema funciona como um gatilho emocional, nos conduzindo do início ao fim, principalmente quando o mesmo mescla-se naturalmente ao teclado que permeia toda a harmonia.

Essa nau artística capitaneada por Doro Pesch, parece ter conseguido transpor conceitos dos anos 80 diretamente para 2015/2016, com as devidas repaginações, recriando algo atual, musicalmente majestoso. Se você tiver um pingo de dramaticidade Rock N Roll nas veias, essa música vai lhe dizer algo. A progressão harmônica preenche seus sentidos e toca sua alma. A própria Doro declarou que considera essa música algo no mesmo nível de hinos como “All We Are”, “Für Immer” e “Love Me In Black”.

Ainda sobre o lançamento, ele terá mais de uma versão: uma em vinil e também um 6-Track Maxi Single, com 3 versões de “Love´s Gone To Hell” (single, radio e demo edit), o dueto com Lemmy e duas faixas ao vivo “Rock Till Death” (dueto com Hansi Kürsch, do Blind Guardian) e “Save My Soul”. Vejam o resumo logo abaixo.

Doro 2016

Doro 2016

Limited Edition Vinyl Single
Side A
01. Love´s Gone To Hell
Side B
02. It Still Hurts (um dueto de Doro com Lemmy)

“Love´s Gone To Hell” – Maxi Single
01. Love´s Gone To Hell (Radio Version) – 03:28
02. Love´s Gone To Hell (Single Version) – 04:13
03. It Still Hurts (feat. Lemmy Kilmister) – 04:06
04. Rock Till Death (Live) – 03:59
05. Save My Soul (Live) – 03:37
06. Love´s Gone To Hell (Original Demo Version) – 04:54

Voltando ao novo vídeo, algo também me remeteu aos anos 80: há uma história em andamento. Imagens da banda tocando em um salão do castelo de Bückeburg (com cerca de 700 anos, na Alemanha), são intercaladas por cenas que contam a trágica trajetória de um casal contemporâneo, ambos visualmente do meio Rock, interpretados por Pascal Hauffe e pela própria Doro Pesch.

O enredo é a narrativa de uma relação que se desenvolve do Amor ao abuso, onde a vocalista acaba dando uma pista do quanto está engajada na causa das mulheres, sem falar que o próprio nome da música ganha sentido conforme ouvimos a letra e assistimos o clip. Para quem não sabe, conforme citei em outras matérias, além de atuante junto ao PETA, ela também participa da Terre de Femmes, uma ONG ligada à denúncia e proteção de mulheres, da qual é embaixadora desde 2009. Ao longo do vídeo, a personagem dela toma decisões confusas, boas e ruins, como é bastante comum de se ver em situações de abuso físico e emocional. Uma história pesada e realista.

Tratando-se de uma artista de extremo bom gosto, logicamente o resultado do clip é um belo trabalho da DLuxe Media, com produção e direção de Tobias Langer. O jogo de luzes, fotografia, cortes, a proposta em si, tudo me agrada (talvez por ser parte do meu direcionamento visual, vai saber). Recomendo que assistam, sintam e entendam porque ninguém se torna Metal Queen do dia pra noite.

Fontes & Referências
http://www.doromusic.de/news_en.php
http://www.nuclearblast.de/en/label/music/band/news/details/4259655.71109.doro-video-premiere-039-love-039-s-gone-to-hell-039.html

http://www.blabbermouth.net/news/video-premiere-doros-loves-gone-to-hell/
http://www.metal-hammer.de/doro-video-premiere-zu-loves-gone-to-hell-601959/
http://www.goettinger-tageblatt.de/Goettingen/Uebersicht/Goettinger-Agentur-produziert-Video-und-neue-Single-von-Doro-Pesch
https://www.facebook.com/DoroPeschOfficial/
https://www.facebook.com/DoroPeschOfficialGerman/ 
http://www.dluxe-media.de/

Rebel Rebel – Festa inspirada em David Bowie é sensação em São Paulo

Contando com a participação dos DJs Rodrigo Branco (Kiss FM), Sammy Glitz, Humberto Luminati, Diego Barezi e Angelo Malka, balada com nome de música emblemática de David Bowie é a nova aposta do Inferno Club, nas noites da Rua Augusta, em São Paulo.

DJ Rodrigo Branco na festa Rebel Rebel

DJ Rodrigo Branco na Rebel Rebel (Foto: Cauê Andruskevicius)

A proposta dos DJs da Rebel Rebel, que já está em sua segunda edição, é agitar a noite com o que há de melhor no Rock e no Pop dos anos 80, mas também dos anos 70, 90 e 2000.
Seus sets combinados cobrem sucessos de artistas consagrados, como Ramones, James Brown, Sex Pistols, Iggy Pop, Joan Jett, The Killers, Amy Winehouse, The Smiths, Talking Heads, Arctic Monkeys, Joy Division, A-Ha, The Cure, AC/DC, Kiss, Madonna, REM, Duran Duran, Red Hot Chili Peppers, New Order, Blur, Guns N Roses, Camisa de Vênus, Bad Religion, Black Keys, The Clash, Depeche Mode, Capital Inicial, White Stripes, Bon Jovi, Legião Urbana, Kings Of Leon, Blondie, Green Day, Jet, QOTSA, Ira!, Stray Cats, U2, Michael Jackson e, naturalmente, o ícone e inspirador da festa: o saudoso e genial David Bowie.

Esses são alguns sons que fazem parte do repertório da Rebel Rebel, abrangendo quatro décadas de hits que marcaram época na história da música. Nesta edição, a Rebel Rebel ainda apresenta ao vivo a Classical Queen, uma fantástica banda tributo dedicada ao legado inesquecível do Queen.

Serviço
Endereço: Rua Augusta, 501, Consolação, São Paulo.
Tel.: (11) 3120-4140.
Data: Sábado (05/03), a partir das 23h30.
Lista até 1h: R$ 20,00 entrada ou R$ 40,00 consumo.
Lista após 1h: R$ 25,00 entrada ou R$ 50,00 consumo.
lista@infernoclub.com.br
Sem lista: R$ 30,00 entrada ou R$ 60,00 consumo
Camarote Open Bar R$ 70,00.
Reservas para Open Bar pelo e-mail: lista@infernoclub.com.br e no assunto: Open Rebel.
Apoio: Rádio Kiss FM.
Promoções
– Double Vodka: 23h30 – 1h
– Double Jager: 3h – 4h
– Aniversariante da semana e acompanhante são VIPs, e levando 15 convidados pagantes, ainda ganha uma garrafa de vodka Skyy. Lista para lista@infernoclub.com.br até as 21h.
Atenção: É proibida a entrada de menores de 18 anos (mesmo acompanhado dos pais). Necessária a apresentação de documento oficial original e com foto recente.


Fontes & Referências

REDENÇÃO” – Novo clipe da TREZZY

TREZZY - REDENÇÃO

Redenção

Quando uma banda foda faz questão de manter o padrão até em seus vídeos, o prazer ao curtir o trabalho dos caras é redobrado. E a Trezzy é uma das bandas brasileiras que melhor se encaixa nessa categoria: músicas, letras e vídeos que realmente se completam e dizem algo.

Com as recentes mudanças na formação (no baixo, saiu Henrique Baboom e entrou Rodrigo Cascelli; na guitarra, saiu Jack Fahrer e entrou Alexandre Novaes) é interessante ver que a dinâmica interna está preservada. Aliás, essas mudanças foram exemplarmente amistosas, com demonstrações públicas de Amor e Respeito entre seus integrantes, algo que valorizo demais e não poderia deixar de citar. No clipe ainda vemos o Jack e o Rodrigo já integrado como um novo “Trezzie”.

Psycho Clown

Psycho Clown

Já escrevi algumas vezes sobre eles e sei que falar bem de suas músicas e clipes é chover no molhado, mas preciso fazer isso, pois a Trezzy mantém o naipe alto de sempre: produção impecável, conceito visual bem estruturado e, musicalmente, performances individuais onde todos se completam, entregando um som coeso, extremamente bem feito e pronto para chamar atenção no melhor sentido possível.

Psycho Clown da banda Trezzy

Psycho Clown – Trezzy

E por falar em conceito visual bem estruturado, o palhaço assustador continua rondando seus clipes – personificado por Ma Giovananni, organizador do Base Rock (movimento de bandas autorais do qual a Trezzy faz parte – coloquei links ao final da matéria para quem não conhece) e um dos sujeitos mais figuras que conheço dentro da cena Rock. Não lembro de ver alguém dar nome ao personagem, mas acho que já está merecendo. Quando escrevo ou comento com alguém, sempre me refiro a ele como “Psycho Clown”. Acho muito foda a ideia desse palhaço, que é claramente uma assinatura do Joonior Joe, vocalista e fã mais que declarado dessa temática.

Tocando novamente na questão musical o que ainda preciso muito dizer é: puta que pariu, viu? Que vibe perfeita, que equação musical incrível vocês continuam sendo, Trezzy! Típica banda em que aperto o play sem receio, confiante de que sempre vem coisa boa.

Pra finalizar, sobre o vídeo, o 4º feito pela banda, a produção e idealização é da própria Trezzy com a Foggy Filmes, sob direção de Junior Carelli e Rudge Campos. O trabalho de maquiagem (que eu também gostei demais) é da Niandra Costa. Agora chega de papo e vamos ao que interessa.

Fontes & Referências
https://www.facebook.com/trezzypage
https://rockuniverse.wordpress.com/tag/base-rock/
http://www.baserock.com.br/
https://www.facebook.com/baserock.sp/