Archive for the ‘Metal Brazil’ Category

O Cavalera Conspiracy, banda liderada pelos irmãos Max Cavalera (vocal e guitarra – Soulfly, ex- Sepultura) e Igor Cavalera (bateria – ex-Sepultura), lançará o quarto álbum de estúdio…

via “Psychosis”, novo álbum do Cavalera Conspiracy, já tem data de lançamento — Rockarama

My Shadow, My Dear Friend”  –  SYREN (Lyric Video, Art & New Album)

MOTORDEVIL, novo disco da SYREN

Capa do novo álbum: MOTORDEVIL

 Nunca mais falei de Metal Brasil aqui no Rock Universe e me dei conta disso tem uns poucos dias, soterrado de pautas que estava e ainda estou. Então vamos voltar em grande estilo: o grupo carioca SYREN disponibilizou a primeira música de seu segundo álbum que será lançado agora, em fevereiro/2015, com o sugestivo nome de MOTORDEVIL!

Apenas para atualizar os fãs da banda (dentre os quais me incluo, porque PQP que som foda): o baixista Bruno Coe foi embora para o Canadá e em seu lugar entrou Mauricio Martins, irmão do batera Julio Martins.

Mas retomando o assunto principal, a capa do novo disco foi criada pelo artista Antônio César da Not A Pipe Studio – o mesmo que reformulou a identidade visual da banda e fez toda a arte interna do seu primeiro álbum, Heavy Metal. E para dar um teaser do novo álbum, um lyric video do primeiro single foi criado por Julio Martins (sim, o baterista da própria SYREN) para apresentar ao mundo mais essa porrada no cérebro do Metal Nacional. 

Eu poderia ficar aqui falando do som, do baixo e da bateria de pegada forte e perfeitamente sincronizados, da produção, das guitarras destruidoras de Guilherme De Siervi, das harmonias, do vocal SEMPRE incrivelmente avassalador de Luiz Syren, mas numa boa? Aperta o play aí e… ROCK ON!

Fontes & Referências:
http://www.officialsyren.com/
http://www.metalmedia.com.br/syren/
https://www.facebook.com/Syrenmetalband
http://notapipestudio.com/

 

Saudações!
O brother e eterno guerreiro das noites de Rock N Roll de São Paulo, DJ e locutor da Kiss FM, Rodrigo Branco, postou em seu blog, “DEU BRANCO“, uma galeria de fotos feitas por mim (sim, eu mesmo) em suas duas últimas festas: SIOUX 66, no Café Aurora, e REVERENDO FRANKENSTEIN, no Spades Cafe SP. ROCK ON!

Deu Branco

unnamed (4)

Nadando contra a corrente, só pra exercitar, todo o músculo que sente… já dizia o poeta. Nadando contra a corrente, colocamos o rock autoral pra rolar em noites de sexta e sábado.

Veja abaixo registros do parceiro Maurício R. Cozer, do blog Rock Universe, das apresentações das bandas SIOUX 66, no Café Aurora, e REVERENDO FRANKENSTEIN, no Spades Café.

unnamed (3)

unnamed (19)

unnamed (6)

unnamed (9)

unnamed (2)unnamed (5)unnamed (8)

unnamed (11)

unnamed (16)

unnamed (13)

unnamed (12)

unnamed (20)

unnamed (14)

unnamed

unnamed (17)

unnamed (7)

unnamed (10)

unnamed (15)

unnamed (18)

unnamed (1)

961522_10202960184955040_1471941582_nFotos por Maurício R. Cozer do blog Rock Universe
https://rockuniverse.wordpress.com

********

REVERENDO FRANKENSTEIN – SPADES CAFÉ

10934573_10202960514883288_727597568_n

unnamed (1)

unnamed

unnamed (10)

unnamed (13)

unnamed (11)

unnamed (3)

unnamed (4)unnamed (12)

unnamed (2)

unnamed (14)

unnamed (8)

unnamed2

unnamed (9)

unnamed (6)

Fotos por Maurício R. Cozer do blog Rock Universe
https://rockuniverse.wordpress.com

View original post

Base Rock Fest IV: Primeiro Evento de 2015!

Base Rock Fest IV: Primeiro Evento de 2015!

Base Rock Fest IV: 2015 já começou com tudo!

O ousado projeto BASE ROCK segue firme e forte em 2015. E já no primeiro evento do ano, eles entram com uma voadora sonora na testa do verdadeiros amantes do Rock N Roll. Sintam o drama do 1º round do ano.

“Outro Lado” – SIOUX 66

“Contratempo” – BURLESCA

“Noites no Bar” – MATTILHA

Além da SIOUX 66, BURLESCA e MATTILHA, teremos também três bandas convidadas: MAQUINÁRIOS (Santa Catarina), GANG e QR1. A ordem das bandas será decidida por sorteio no dia do evento. ROCK ON!

Dia: 24/01/2015.
Local: Feeling Music Bar.
Endereço: R. Domingos de Morais, 1739 – São Paulo/SP.
Ponto de referência: ao lado do metrô Vila Mariana.
Horário: A partir das 18h.
Entrada: R$ 20,00.
Realização: Base Rock.
Apoio: Crossover Eventos.
Evento: https://www.facebook.com/events/669595489829477/
Sioux 66: https://www.facebook.com/sioux66oficial
Burlesca: https://www.facebook.com/bandaburlesca
Mattilha: https://www.facebook.com/BANDAMATTILHA
Base Rock: https://www.facebook.com/baserock.sp

INTACTUS – O novo CD do DR SIN

DR SIN - INVICTUS

DR SIN – INVICTUS

Os Doutores do Rock não param um único segundo e já estão com um novíssimo disco engatilhado: INTACTUS.

É sempre gratificante constatar que veteranos do naipe de Andria Busic, Ivan Busic e Edu Ardanuy têm muito mais fôlego e amor pela música que muito moleque por aí. Mais do que gratificante, é um verdadeiro alívio.

Segue logo abaixo um breve depoimento de Ivan Busic sobre o novo trabalho dessas verdadeiras lendas vivas do Rock Brasil:

 DR SIN é um power trio que desde sua formação em 1992, nunca sofreu mudanças em suas bases! Continuamos ao longo de todos esses anos, unidos e “intocados”, “impolutos”, “ilibados” e este é o significado deste nosso mais novo trabalho: “INTACTUS”. “INTACTUS” vem ao encontro com toda a essência que eu, Andria e Edu buscamos durante toda nossa carreira. Nunca nos vendemos por modismos e nunca levantamos nenhuma bandeira. Amamos o rock e sempre quisemos disseminar a verdadeira alma do nosso trabalho.” – Ivan Busic, baterista.


Pelo que nós só podemos ser eternamente gratos, Ivan. Aguardamos ansiosamente a nova porrada. Rock on!

Fontes & Referências:
1 – Assessoria oficial do DR SIN;

Homenagem a Hélcio AguirraHerói da Guitarra e Mestre do Rock

Hélcio Aguirra em 1984, tocando no Harppia

Hélcio Aguirra tocando na banda Harppia (1984). (Crédito: acervo pessoal online de Hélcio Aguirra)

 Não importa em que momento da vida certas… viagens aconteçam. A sensação é sempre de que “foi cedo demais”. E desta vez foi com um dos mais queridos, talentosos, dignos e importantes guitarristas da história do Rock Brasil: Hélcio Aguirra.

“Sua estreia em disco se deu com o EP A Ferro E Fogo, lançado pelo Harppia em 1985 e até hoje considerado um dos principais discos da história do Heavy Metal nacional. Em seguida, Hélcio criou o Golpe de Estado, que acabaria se tornando um dos principais nomes do Hard Rock brasileiro. A banda gravou oito discos: Golpe de Estado (1986), Forçando A Barra (1988), Nem Polícia Nem Bandido (1989), Quarto Golpe (1991), Zumbi (1994), Dez Anos Ao Vivo (1996), Pra Poder (2004) e Direto do Fronte (2012). Paralelamente, participou do grupo de Rock instrumental Mibilis Stabilis, que lançou três álbuns, Mobilis Stabilis (2001), Extra Corpore (2006) e Andando No Arame (2009).” – Site da Revista Roadie Crew.

Katalau e Hélcio Aguirra: Golpe de Estado tocando no Dama Xoc.

Catalau e Hélcio Aguirra: Golpe de Estado tocando no Dama Xoc. (Crédito: acervo pessoal online de Hélcio Aguirra)

 Ainda moleque no Rio de Janeiro, lembro quando ouvi pela primeira vez as guitarras do Golpe de Estado. Trocava de canais freneticamente, quando em um canal praticamente irrelevante na grade televisiva, me deparo com o clip de Noite de Balada: um Hard quente, elétrico, legítimo, convincente, inesperado… fora do comum no melhor sentido possível. Letra 1.000% Rock ´N Roll e um instrumental que me deixou muito surpreso. As linhas de baixo de Nelson Brito e a pegada poderosa de Paulo Zinner na bateria formavam uma cozinha que não devia nada a qualquer banda estrangeira. Evidente que o vocal de Catalau, totalmente despojado, desencanado e naturalmente agradável, chamou minha atenção – e numa época em que eu só ouvia e tentava reproduzir vocais cheios de virtuosismos. Contudo, repentinamente, um timbre de guitarra capturou totalmente minha atenção. Quem seria aquele sujeito por trás das seis cordas?

Noite de BaladaGolpe de Estado (Vídeo Oficial)

 Resultado: passei um bom pedaço da tarde tirando (ou tentando tirar) aquela música cujo refrão e solo nunca mais sairiam de minha mente. Pouco depois, tive contato com algumas matérias sobre o Golpe de Estado – aliás, ainda sigo até hoje achando esse nome genial – e naturalmente sobre Hélcio Aguirra, uma verdadeira lenda da guitarra no cenário do Rock Nacional. Conheci outras tantas músicas do Golpe, algumas do Harppia, lia diversas matérias e ficava absolutamente fascinado pelo nível de conhecimento dele, não apenas na execução do instrumento, mas também no tocante a equipamentos. Eu lia avidamente toda e qualquer entrevista ou coluna em que ele estivesse. Eu ainda não sabia muito, mas minha intuição me dizia para ouvir quando ele falasse.

 Eu pensava “nossa, o que esse sujeito faz na guitarra, da maneira que fica marcado na gente… parece coisa do Tony Iommi: riffs fodas, solos inesquecíveis e ainda essa Gibson SG”. Não custei muito a descobrir que não era incomum que ele fosse comparado ou associado ao maior de todos os riff masters como o “nosso Tony Iommi”. Com toda justiça, diga-se de passagem.

Tony Iommi e Hélcio Aguirra

Tony Iommi e Hélcio Aguirra. (Crédito: Vitão Bonesso)

 Olhar para o Rock no Brasil sem Hélcio, ao menos para mim é muito estranho. Mais do que estranho: é pesado e não no sentido musical. É esmagador. Cruel. Doloroso.

Na história do Rock brasileiro tivemos e ainda temos bandas e músicos fantásticos… mas agora, não temos mais a grandeza de Hélcio Aguirra e isso machuca demais. Um músico como poucos e um ser humano reconhecido pela boa índole e camaradagem. Um poeta das 6 cordas. Um professor sem igual e com a humildade de um aprendiz.

Caso SérioGolpe de Estado (Áudio Original)

Nunca cheguei a conversar com ele pessoalmente, apenas pelo Facebook brevemente uma ou duas vezes, mas ele foi gentil de uma forma que chegou a me deixar sem graça. Conheço algumas pessoas que foram próximas ao Golpe de Estado ainda na época do Catalau e todas sempre foram categóricas: ele era gente boa demais. Quer dizer, a admiração e respeito cultivados desde garoto, aumentaram ainda mais em âmbito também pessoal.

Hélcio Aguirra, guitarrista e fundador do Golpe de Estado.

Hélcio Aguirra. (Fonte: acervo online do Golpe de Estado)

 Hélcio, com a sua música você inspirou muitos romances e agitou incontáveis baladas. Estampou sorrisos e emocionou muitos de nós. Nunca desistiu da árdua tarefa de ser músico de Rock no Brasil. Foi muito além da obrigação de poeta da guitarra e fez de sua arte um sacerdócio de amor pelo Rock ´N Roll. É assim que o vejo. E certamente é assim que será lembrado. Descanse em Paz, grande e querido Mestre. Sua imortalidade está garantida entre nós.

Olhos de GuerraGolpe de Estado (Áudio Original)

Fontes e referências:
http://www.golpedeestado.com.br/
http://www.bandaharppia.com.br/home.html
http://www.roadiecrew.com/
http://kissfm.com.br/
https://www.facebook.com/helcio.aguirra
https://www.facebook.com/bandagolpedeestado

Outras homenagens que merecem ser compartilhadas:
Rodrigo Branco (Rádio Kiss FM): http://hoplitaurbano.wordpress.com/2014/01/22/golpe-profundo-a-despedida-repentina-de-uma-heroi-brasileiro-da-guitarra/
Felipe Machado (Viper): http://www.palavradehomem.com.br/?p=2308
Régis Tadeu (Produtor, jornalista e crítico musical): http://br.omg.yahoo.com/blogs/mira-regis/descanse-em-paz-helcio-aguirra-145358550.html

Rock In Rio 2013 Opinião sobre 13 shows

Logo do Rock In Rio

Rock In Rio 2013

Não é um “Top 13”, não existe ordem de relevância e são somente opiniões pessoais, não verdades absolutas – com uma ou outra opinião técnica sobre as bandas e alguns de seus músicos. Não vi todas as bandas do evento, mas das que vi os shows completos, seguem minhas impressões (muito) resumidas.
 
1 – Iron Maiden – Apresentação primorosa e um set malandramente certeiro, baseado nos clássicos consagrados. Jogo ganho. Você não precisa e nem deve entupir seu set de músicas novas num evento do porte de um Rock In Rio. Por mais que possam ser músicas excelentes, guarde-as para sua turnê fora de 90% dos grande festivais. E foi o que o Maiden fez.
2 – Metallica – Incríveis. A banda consegue manter um padrão praticamente inalterável de qualidade absoluta ao vivo. James domina tudo num raio de quilômetros. É impressionante a soberania do homem diante do público. No mais, os quatro devem ser robôs, cyborgs, warlords, sei lá. Só sei que foi uma apresentação irretocável.
Viper em sua formação 2012 para A To Live Again Tour

Viper: Guilherme Martin, Pit Passarell, André Matos, Hugo Mariutti e Felipe Machado. (Foto: Nando Machado/Wikimetal)

3 – Viper + André Matos – Minha banda favorita de Metal do Brasil. Gosto deles tanto quanto gosto do Maiden, mas tenho uma extrema preocupação com a voz de André Matos que mesmo sendo um grande vocalista, falha claramente algumas vezes. No mais, Felipe, Pit e Guilherme parecem nunca ter saído do palco e dos holofotes – e o Hugo é um reforço à altura da importância da banda, isso é inegável. É o habitat natural deles. Uma banda que NUNCA, JAMAIS em TEMPO ALGUM deveria deixar de existir. Resumindo: Long Live Viper!

Símbolo do DR SIN

DR SIN

4 – DR SIN + Roy Z + Republica – Show impecável, músicas fantásticas e precisão absoluta. Sim, sou tão fã do Dr Sin quanto do Viper. A participação do gigante Roy Z, um dos meus guitarristas favoritos, foi uma sacada inteligente para ambos. A tal banda República, não é ruim em absoluto, mas dados os monstros que estavam no palco com eles, admito: passei meio que batido pelo som deles. Ainda assim, do pouco que lembro, os caras não fizeram feio. Voltando ao DR SIN, o que vi, foi o mitológico Eduzinho “Malmsteen” Ardanuy barbarizando como sempre; Ivan “Simpatia” Busic tremendamente forte, técnico e carismático – aliás, um tremendo vocalista também como já sabemos há tempos e agora com um disco solo recentemente lançado; e o Andria que já é um puta baixista incontestável… meus amigos, o sujeito parece um vinho da melhor qualidade. Quanto mais o tempo passa, melhor ele canta. Andria “Assombroso” Busic, uma referência gigante para qualquer vocalista ou aspirante. Aprendam com esse homem!

Símbolo do Sepultura

Sepultura

5 – Sepultura – Porradaria sem fim como se não houvesse amanhã. Aquele pessoal do Les Tambours du Bronx caiu feito uma luva, mas também não fiquei surpreso. Não é de hoje que a banda flerta com todo tipo de percussão mundo afora. Já na apresentação com Zé Ramalho (que eu particularmente gosto muito), algumas músicas funcionaram melhor que as outras, mas no geral até que não ficou ruim. Nada menos que um show memorável.

6 – GhostEu entendi a proposta dos caras, até curto bastante um lance mais performático, teatral… mas não me convenceram, sinto muito. Tudo bem que o contexto não ajudou nem um pouco, contudo não acho certo terem hostilizado a banda como fizeram.
7Bon Jovi – Sempre curti, sempre fui fã, mas novamente a questão da voz foi determinante. Merece nosso respeito pela estrada e, principalmente, pela coragem. Seria o caso de baixar os tons e quem sabe mudar os arranjos de várias músicas. Jon, você continua incrível, mas precisa estudar uma solução para as músicas em tons muito altos.
8 – Bruce Springsteen – Como não amar esse cara? Acabou de fazer 64 anos (23/09) e pouco antes de seu aniversário passou como um rolo compressor em cima de tudo e todos, feito um garoto de 20. Exemplo de humildade e talento. Como falei em um post do Facebook: fez um verdadeiro show dentro de seu próprio show. E ainda me fez acreditar na imortalidade, porque nem de longe parece ter mais de 50 e tantos anos, que dirá mais de 60. 
Kiara Rocks Cover

Kiara Rocks

9 – Kiara Rocks – Não achei assim tão terrível como muitos disseram – e bota muitos nisso. Ok, não vou dizer que achei maravilhoso, realmente foi algo meio constrangedor em alguns momentos. Mas recorreram a covers e à presença de um dos meus maiores ídolos, Paul Di’Anno. Ter visto esse homem ao vivo num Rock In Rio 2013 foi de lacrimejar. Wrathchild no Rock In Rio com o vocal original… Maiden, vocês deram mole de não chamar (ou não conseguir convencer, dar o braço a torcer, vai saber) o cara pra fazer uma jam bombástica no final. Engraçado isso, mas o show da banda se tornou quase desimportante diante da presença de Di`Anno. Não digo isso com o intuito de desrespeitar, mas foi uma manobra inteligente ter colocado Paul no palco e atrair aplausos e olhares emocionados. Também colocaram o Marcão (Charlie Brown Jr), ou seja, tudo para tentar contornar a ferocidade do público. Com a presença desses convidados, além de Wrathchild, levaram também Highway to Hell (AC/DC, na qual aliás o Cadu saiu-se muito bem, justiça seja feita) e Blitzkrieg Bop (Ramones). Ah! Falei que o Kiara abriu com Ace Of Spades do Motörhead? Pois é, estava mais do que evidente o receio quanto à receptividade do público headbanger – e com toda razão. Quanto ao vocal do Cadu, tão duramente criticado, ele poderia fazer menos drives, distorcer menos a voz. Percebi que quando ele resolver cantar mais e rosnar menos, fica muito melhor.

10 – Sebastian Bach – A voz e o peso da cantar agudo desde a juventude fez muitas vítimas nesse Rock In Rio e convenhamos, ele foi mais uma delas. Hits incríveis foram conduzidos muito abaixo da expectativa. Ainda assim, outro que merece nosso respeito pela coragem de tentar. Skid Row será eterno, mas novamente: se Bach realmente quiser continuar na estrada, mesmo que solo, precisa arrumar uma solução honesta para seus vocais nas partes mais sôfregas.
11 – Slayer – No começo tive a impressão de que a voz de Araya sumia e voltava, mas depois parece que tudo se acertou. Gosto da banda, não costumo acompanhar muito, mas estão super em forma. Hanneman sempre lembrado pelos fãs e homenageado pela banda. Sentaram a porrada, rodas surgiram e todos tinham 20 e poucos anos novamente – inclusive a banda.
12 – Helloween + Kai Hansen – Olha, eu consegui gostar da banda pra valer até o álbum Time Of The Oath. Depois disso, prefiro ouvir Gamma Ray (banda de Kai Hansen) e os projetos de Michael Kiske (vocalista original). Eu até que gosto dos vocais do Andi Deris (inclusive em sua carreira solo, que aliás, recomendo), mas as músicas foram caindo muito no padrão Helloween de qualidade se querem saber a verdade. No mais, grande jogada tocarem junto com Kai Hansen. Contudo, se quiserem sentir algo realmente com o espírito Helloween, vocês DEVEM conhecer Unisonic, a banda que Hansen e Kiske montaram. Escrevi sobre eles há mais de um ano: https://rockuniverse.wordpress.com/2012/01/13/unisonic-michael-kiske-kai-hansen-e-o-primeiro-video-oficial-do-projeto/

Capital Inicial

Capital Inicial no Rock In Rio 2013
(Fonte: https://www.facebook.com/capitalinicial)

13 – Capital InicialVamos lá. Das que cantam em português, ainda deve ser a minha preferida em atividade. Desde o Aborto Elétrico, passando pela Legião Urbana, o que temos são esses caras não deixando o legado morrer. Sei que uns 8 em cada 10 fãs de Rock Nacional simplesmente odeiam, zombam, xingam e etc, mas sigo gostando e muito. Tanto dos clássicos da banda, quanto de seus sucessos mais recentes, podemos dizer que a qualidade musical e lírica segue despreocupadamente, imune às críticas que não visam debater, apenas desconstruir. Com a entrada de Yves nas guitarras e as composições de Pit, seguem firmes e fortes. Claro, muitos não sabem, mas o baixista Pit Passarell da banda Viper, responsável por boa parte dos Clássicos do Metal Brasil, é também o compositor por trás de 90% dos hits do Capital Inicial nos últimos anos. Ele conseguiu se destacar maravilhosamente em DOIS gêneros do Rock, ou seja, sou duplamente fã dele e do Capital. Chupa pessoalzinho from Hell. Quanto ao discurso do Dinho, melhor deixar pra lá.

Fontes e Referências: http://rockinrio.com/rio/

Holiness – Dead Inside: première e vídeo oficial

Dead Inside: Holiness 2013

Dead Inside: Holiness 2013

Eles conseguiram novamente: superaram minhas expectativas. Desde que escrevi sobre a banda pela primeira vez, ainda na época de Into The Light (do disco Beneath The Surface, de 2010), nunca mais parei de acompanhar o trabalho da Holiness.

Sempre falei dos arranjos, das qualidades técnicas de seus integrantes, das músicas como um todo… e também dos clipes oficiais, que primavam – e ainda primam – pela produção muito acima da média, até mesmo se comparados aos de algumas bandas já estabelecidas na cena Rock do Brasil.

E o que já era foda, podia melhorar? Bom, pelo que vimos na madrugada de 7 para 8 de setembro, mais do que certamente.

Partimos pouco antes da meia-noite rumo ao Manifesto para assistir em primeira mão o lançamento do novo clipe da banda. Chegamos no meio do show da The Hammer (Motörhead Cover) e apesar de eu não ser muito afeito de bandas cover, há de se tirar o chapéu para os caras, pois realmente mandam muito bem em todos os quesitos, puta som fiel ao de Sir Lemmy e seus asseclas. Tão válido que não poderia deixar de mencionar. Só isso.

Dead Inside: Cristiano e Fabrício

Dead Inside: Cristiano e Fabrício

Mas voltando ao assunto, papo vai, papo vem, esbarro aos poucos com o Fabrício (guitarra), Cristiano (bateria), André (baixo) e com alguns membros da produtora Loud Factory – aliás, já havia sido apresentado a eles no Live Metal Fest II e fiquei com uma ótima impressão. Pouco antes de anunciarem, conversamos rapidamente também com Stefanie. Faço perguntas gerais sobre as expectativas de cada um para a recepção do novo vídeo e outras amenidades. Todos tranquilos, no máximo um pouco ansiosos (principalmente Stefanie), mas ainda assim sob controle.

O que se seguiu quando apertaram o play lá em cima, foi algo que desconfiei logo que soltaram o teaser há algumas semanas: o clipe de Dead Inside trata-se de um curta de terror maravilhosamente bem produzido em todos os sentidos. Sério, galera, ficou LINDO! Fotografia, iluminação, tonalidades, maquiagem, figurinos, locações, conceito… absolutamente tudo!

Logo da produtora Loud Factory

Produtora Loud Factory

Eu sempre elogio o profissionalismo da Holiness, mas a Loud Factory não fica nada atrás. A produtora é um incalculável achado para a banda e para o cenário de Rock/Metal, não tenho como dizer de outra forma: fiquei fã.

Já havia ficado bastante admirado com o trampo deles no 3º clipe da Holiness, Mine, mas agora estou completamente embasbacado. E não sou do tipo que se impressiona fácil, acreditem.

Por que eu ainda não tinha ouvido falar desse pessoal? Onde estavam se escondendo? Bom, não sei, mas agora não vou perdê-los do radar de forma alguma.

No novo clip, Stefanie é abordada por uma criatura inicialmente indefinida, se acaba de correr, fugindo pelo mato, saltando, caindo e lutando até chegar em uma casa, onde Cristiano abre a porta sem entender nada para receber sua mulher completamente apavorada. Não quero falar muito para não estragar, mas as cenas transitam entre o enredo em si, com o medo comendo solto e cenas da banda tocando em um lugar – e vez por outra elementos do enredo surgem também na maquiagem da banda, “fora” do filme que acompanhamos.

Holiness

Holiness

Olha, ainda não sei como o público em geral é capaz de ignorar as bandas da nossa cena underground. Não, eu não escrevo sobre todas, sei disso muito bem, mas ao menos procuro conhecer tudo para escolher honestamente sobre o que escrever. Minha ideia não é apoiar cegamente toda e qualquer banda, apenas aquelas que tenham afinidade comigo, com o Rock Universe e, principalmente, trabalhos nos quais eu acredite de fato. É exatamente o caso da Holiness e de algumas outras já publicadas ou ainda por publicar.

Cristiano_Reis_Dead_Inside

Cristiano Reis: Dead Inside

Cristiano Reis: brother, você tem uma pegada convincente demais no comando da batera. Às vezes é a força exata que joga no braço, outras vezes a sutileza nos detalhes do arranjo, sei lá. O fato é que dá gosto ver e ouvir você tocando. Em Dead Inside, parece que você usou tudo que tinha, parabéns meu velho.

André Martins no clipe Dead Inside

André Martins: Dead Inside

André Martins: você ainda é recente na banda, mas já ouvi um pouco do teu trabalho na Hatematter e gostei. Já na Holiness, pude ouvir mais atentamente seu baixo em Drowning e na própria Dead Inside. Que graves de presença, hein? O timbre, a rapidez, as marcações e as frases em que ouvi, (inclusive ao vivo, no LMFII) você dobrando com o Fabrício não deixam um único buraco, excelente mesmo. A maneira como você ligou tudo em Dead Inside, fez com que eu quisesse ouvir mais de qualquer banda em que você seja o baixista, palavra.

Foto de Fabricio Reis em Dead Inside.

Dead Inside: Fabrício Reis

Fabrício Reis: ah, meu velho, sempre esses teus solos, riffs, harmonias e texturas, né? Já falamos disso algumas vezes, mas gosto de repetir: de arrepiar, sou teu fã confesso. Não faço ideia de onde você tira tanta inspiração (efeito Mizuho?) e em Dead Inside você me fez ter vontade de brincar de guitarrista novamente. Que RIFFS SÃO ESSES??? Na primeira vez que ouvi, já na intro eu pensei “pronto, lá vem o guri me mostrar novamente que como guitarrista, eu sempre fui somente um vocalista metido a tocar guitarra mesmo”.

Stéfanie Schirmbeck da banda Holiness

Dead Inside: Stéfanie Schirmbeck

Stefanie Schirmbeck: sua vez, Stéfanie. Não satisfeita em ser a tremenda vocalista que é, ainda me faz uma letra dessas, corre muito e sai na porrada com o sobrenatural. Brincadeiras à parte, eu realmente gosto da letra – até mesmo porque, por um acaso, algumas frases ali parecem muito com coisas que digo e nas quais acredito. Sobre a sua voz, além da gama de recursos que você sabe utilizar muito bem, em Dead Inside tive a impressão de que realmente interpretou como nunca cada verso. Dramaticidade é essencial e foi isso que ouvi. De mais a mais, impecável como de costume, uma das mais legítimas representantes de alguém que sabe exatamente o que quer, como quer chegar lá e o que quer fazer quando chegar.

Enfim, agora chega de texto e vamos ao que interessa.

Dead Inside Holiness (Official Video)

Ficha Técnica:
Produced by Loud Factory
Directed by Fernanda Castro Nascimento & Vagner Meirinho
Screenplay by Vagner Meirinho & Holiness
Edited By Vagner Meirinho
Production Manager: Tiago Pardal Assolini
Costume and Make up: Maurien Trabbold
Direction Assistant: Letícia Calvosa
Production Assistant: Laudir da Silva Reis
Image capture by Tiago Assolini and Lucas Machado

Fontes, Referências e Links Relevantes:
Loud Factory: http://www.loudfactory.net/
Reverbnation: http://www.reverbnation.com/holiness
Facebook: http://Facebook.com/HolinessBrasil
Twitter: https://twitter.com/BandaHoliness
MySpace: https://myspace.com/officialholiness
YouTube: http://www.youtube.com/user/officialholiness/videos
Cat Corsets: http://www.catcorsets.com/
https://www.facebook.com/blackcat.trabbold
https://www.facebook.com/pages/BlackCat/142239892473792
Todas as matérias sobre a Holiness no Rock Universe: https://rockuniverse.wordpress.com/tag/holiness/

Heavy MetalSyren lança vídeo oficial para The End

Heavy Metal: Syren.

Heavy Metal: Syren

 Estou para produzir uma matéria sobre a Syren há algum tempo. Ouvi algumas vezes o trabalho da banda, assisti alguns vídeos e fiquei abismado pelo timbre e alcance de Luiz Syren, um vocalista monstruosamente acima da média, acreditem.

 Conheci o trabalho do Luiz – e da Syren, aliás, apelido do vocalista como já notaram – através de amigos que também me mostraram o trabalho de Renato Tribuzy e Hélio Oliva, ou seja, vocais top do Metal do Rio de Janeiro e, sendo assim, já tinha uma relativa certeza sobre a qualidade. Certeza essa que se tornou absoluta rapidamente.

 A nova formação desta unidade de elite do Metal Carioca conta com o excepcional guitarrista Guilherme De Siervi, além do baixista Bruno Coe e do baterista Júlio Martins – que são duas verdadeiras máquinas de pancada no melhor sentido da palavra. Tudo é muito bem aparado, certeiro, preciso. 

Banda Syren em 2013.

Syren 2013 (Crédito: Cíntia Ventania)

 O disco será lançado ainda em 2013, chama-se Heavy Metal  e o tracklist é o seguinte:

1. Blindfold
2. Devil Road
3. The End
4. Stay Alive
5. Last Train To Hell 
6. Scourge Of Time
7. Heavy Metal
8. Keep Walking
9. Die In Paradise
10. Odyssey

 Bom, por agora chega de papo e quero apenas que vocês conheçam o som destruidor da Syren. A produção do vídeo é de Cíntia Ventania (baixista do Possessonica e do Scatha). Ah! Eu falei pra vocês que a voz de Luiz Syren lembra a de um certo Bruce Dickinson? 😉

The End – Syren (Official Video)

Fontes & Referências: http://www.officialsyren.com/home_br.htm

http://www.reverbnation.com/syrenband

https://myspace.com/syrenband

http://cintiaventania.com/

 

Drowning Ouça o novo single da Holiness (Áudio e Letra)

Arte da nova música da banda Holiness

Drowning: Holiness New Single.

 A banda Holiness parece dotada de uma doença incurável chamada “inquietação musical”. Ignoram totalmente o adágio popular de que “em time que está ganhando, não se mexe”. Não importa o quanto possa parecer arriscado, eles fazem questão de correr atrás e provar que podem fazer do excelente algo ainda mais incrível – e o que é melhor, sem descaracterizar sua personalidade artística.

Cristiano Reis e Stefanie Schirmbeck: baterista e vocalista da Holiness.

Holiness: Cristiano Reis e Stéfanie Schirmbeck.

 Desde antes do lançamento do single anterior, Dead Inside, eles chegaram a comentar abertamente em shows, que em 2013 poderíamos esperar por ótimas surpresas. Cá entre nós, eu ficaria surpreso somente se eles criassem algo de qualidade duvidosa, porque talento, garra e perfeccionismo são apenas algumas das assinaturas da banda. Seja em gravações de estúdio, em vídeos oficiais ou nos palcos, eles primam pela capacidade de se superar em cada riff, solo, batida ou simplesmente pela voz hipnotizante de Stéfanie. 

Formação da banda Holiness: André Martins, Stéfanie Schirmbeck, Cristiano Reis e Fabrício Reis.

André Martins, Stéfanie Schirmbeck, Cristiano Reis e Fabrício Reis: Holiness 2013

 Drowning me deixou orgulhoso como fã brasileiro de Metal. Orgulhoso pelo fato de ouvir mais uma banda brasileira, fazendo algo que normalmente fica restrito a poucas bandas hoje em dia: surpreendendo e acertando. Não é apenas mais uma música “legal”. É FODA. Não é mais um clichezinho fácil, fórmula pronta do tipo “vamos dar a eles aquele sonzinho óbvio, mas que já sabemos que vai agradar”.

 A música é apenas excelente, a letra é ótima e quanto à produção… ah, meu amigo, que PUTA produção. Esse pessoal da Loud Factory faz um trabalho de gente muito grande – não é à toa que a Holiness, com o padrão de excelência que costuma manter, se encontrou tremendamente à vontade com essa equipe. Conheci os caras no Live Metal Fest II, do qual a própria Holiness participou, e pelo pouco que pude perceber ao longo da conversa que tivemos, além do profissionalismo explícito (vide o single Dead Inside e também a gravação do clipe de Mine), são pessoas muito fáceis de lidar. Sou da política de que pessoas tranquilas, honestas, humildes e obstinadas, costumam produzir coisas boas em todas as áreas da vida. Seja no palco ou nos bastidores. Que a Holiness continue evoluindo e encontrando parceiros que façam por merecer o seu respeito e confiança. Long Live Holiness!

Drowning – Holiness (Official Audio Stream)

I’m sinking deeper in this mud
Feels like I’m drowning and I can’t escape
But I know I’m still breathing

Is there anyone listening?
Is there anyone sane in this selfish world?
I know I’ve got just one chance

I want to know what’s left behind
So I can move on again
With no sorrow or regret
I´ll keep the promisses I made
when everything is through

Everyday feels like a struggle
Don’t want to decide which side to choose
And I can hear you screaming

Every threat is real
Every mistake wouldn’t be my last
Don’t try to stand in my way

I want to know what’s left behind
So I can move on again
With no sorrow or regret
I’ll keep my promisses

With no one’s permission
Now I’ll write my own lines
This time

I used to feel
I was safe in this place full of lies
Now I believe everyone’s got they’re own truth to hide
Inside

Behind these walls, my thoughts
Under this skin, my scars
Inside this mind , my fears
I wish I could erase

I want to know what’s left behind
So I can move on again
With no sorrow or regret
I’ll keep my promisses

With no one’s permission
Now I’ll write my own lines

I want to know what’s left behind
So I can move on again
With no sorrow or regret
I´ll keep the promisses I made
when everything is through

Fontes, Referências e Informações Técnicas: Music by Stefanie Schirmbeck, Fabrício Reis & Cristiano Reis
Lyrics by Stefanie Schirmbeck
Produced by Critiano Reis & Fabrício Reis
Mixed and Mastered by Vagner Bigu (Loud Factory Productions/Studio): http://www.loudfactory.net/
Recorded by Adair Daufembach 
Artwork by Marcelo Campos

Reverbnation: http://www.reverbnation.com/holiness
Facebook: http://Facebook.com/HolinessBrasil

Live Metal Fest II: Como foi a Sexta-feira Santa no Inferno?

Quem passou a sexta-feira Santa no Inferno Club teve um experiência bastante válida. Por que? Pelo seguinte: Live Metal Fest II.

Um trabalho sério com 6 bandas autorais brasileiras. Metal do começo ao fim. Até então, das bandas que se apresentaram, eu só tinha assistido à Holiness ao vivo. Não vou mentir pra vocês, só tinha ouvido duas das outras cinco, não sou o maior fã de Metal mais extremo – que era o caso das mesmas – mas ainda assim preciso dizer: não fiquei nem um pouco desapontado. Muito pelo contrário.

Lotou? Não, não lotou. Infelizmente. Mas também não estava nem um pouco vazio. Quem esteve lá sabe muito bem do que estou falando. Evidente (ou não tão evidente) que ao longo do show tive muitos momentos reflexivos quanto à cena Rock do Brasil. Estrutura, apoio, divulgação, mentalidade do público… bem, um sem número de fatores que discutiremos nessa e nas próximas matérias.

Retomando o Live Metal Fest II, o que vimos foi o seguinte: bandas muito boas, músicos gabaritados e super empenhados, mas a parte da estrutura de som um tanto irregular por parte dos organizadores e da casa – que aliás, muito admiro, respeito e defendo.

Stefanie Schirmbeck Vocalista Holiness

Stefanie Schirmbeck

HOLINESS

A primeira banda foi a Holiness, a única que eu já conheço a fundo e sei de cabeça praticamente todos os arranjos. São grandes músicos, fato incontestável.

O que me deixou particularmente incomodado, foi constatar que a despeito da boa vontade e compromisso dos organizadores, o som quase comprometeu a apresentação da banda em vários momentos. Não em relação à execução, mas no que diz respeito à qualidade do equipamento de som disponível para as bandas. Não fossem Stefanie Schirmbeck (vocal), Cristiano Reis (bateria), Fabricio Reis (guitarra) e o novo baixista, André Martins, excelentes músicos, não teriam conseguido contornar tanto quanto possível os problemas do som em vários momentos. 

André Martins baixista da banda Holiness

André Martins

Cristiano Reis baterista da banda Holiness

Cristiano Reis

Fabricio Reis Guitarrista da banda Holiness

Fabricio Reis

Nessas horas vemos o quanto disciplina, horas e mais horas seguidas de estudos e ensaios separam amadores de profissionais. Ainda fico impressionado com o domínio, lucidez e a presença de palco da banda – e não é papo de fã, não.

Holiness no Live Metal Fest II

Holiness: Live Metal Fest II

 Aliás, como de costume Stefanie consegue “ler” e conduzir o público. Todos estavam longe do palco e ela não se fez de rogada, disparando logo após o final da primeira música: “(…) Está vazio aqui na frente, cheguem mais perto, galera!” – Timidez coletiva prontamente resolvida. Aquela menina pequena e delicada, além de uma tremenda voz (e que graças a isso conseguiu driblar o som precário por diversas vezes), tem mais ou menos uns 3 metros de altura em cima de um palco, ou seja, moral que não acaba mais.

HAMMATHAZ

Não tenho muitas fotos dessa banda. Na verdade, pude aproveitar apenas uma e não está lá essas coisas, mas por um motivo que me causou certo orgulho alheio: o público abriu uma roda bastante empolgada e eu não poderia disputar espaço com um câmera na mão. E isso me deixou muito feliz, acreditem.

Hammathaz no Live Metal Fest II

Hammathaz

O vocal abissal de Jr Jacques, somando-se a0s arranjos agressivos dos caras e mais uma quantidade razoável de fãs ensandecidos, pulando pra todo lado e de todo jeito são a fórmula perfeita para um show extremo no palco E fora dele – e tudo sem violência, ok? O Hammathaz pontuou muito bonito em todos os quesitos.

Forka no Live Metal Fest II

Forka: Live Metal Fest II

FORKA

 Eu achei que iria dar uma respirada, mas não rolou. Quando o pessoal do Forka pisou no palco, foi como se tivessem tocado o gongo novamente, reiniciando a luta.

Ronaldo Coelho vocalista do Forka

Ronaldo Coelho

Ronaldo Coelho trucidando o público nos vocais, peso de sobra, qualidade idem, todo mundo surtando, mas novamente o equipamento da casa começou a comprometer o bom andamento da coisa.

Forka no Live Metal Fest II, no Inferno Club

Forka: LMF II

A tal ponto, que após consecutivas reclamações da banda dirigindo-se à mesa de som, acharam por bem encerrar a apresentação um pouco antes do previsto. Ainda assim, mesmo com esses problemas, não posso falar que a performance dos caras foi menos do que impressionante.

Marcelo Carvalho da banda Trayce no Live Metal Fest II, no Inferno Club

Marcelo Carvalho

TRAYCE

 Essa banda foi muito bem recomendada por algumas pessoas do próprio público. Marcelo Carvalho é um vocalista a ser muito respeitado, seja ou não você um fã da banda. Mais um excelente trabalho que transpira peso, qualidade e garra, tendo o público na mão do começo ao fim.

 

Trayce no Live Metal Fest II, no Inferno Club

Trayce

Quanto mais eu conheço bandas, mais vejo que não conheço bandas o suficiente. Vocês, fãs e pensadores do Rock, poderiam fazer a mesma coisa e começar a frequentar festivais de qualquer porte, ao invés de ficar esperando eventos famosos trazerem suas bandas favoritas para um show pífio, caro e burocrático.

Clayton Bartalo no Live Metal Fest II, no Inferno Club

Clayton Bartalo

SCREAMS OF HATE

Olha, vou falar uma coisa pra vocês: Clayton Bartalo deve ser um dos maiores amantes de Metal Extremo que já tive a oportunidade de assistir ao vivo. Ele subiu ao palco acho que pelo menos duas vezes durante o Live Metal Fest II para dividir os vocais com outras bandas e vocalistas. E era notório que ele estava simplesmente adorando tanto quanto o público.

Screams Of Hate no Live Metal Fest II, no Inferno Club

Screams Of Hate

Quando falo de união dentro da cena Rock, é disso que estou falando. O sujeito deu o sangue pelo festival em forma de berros possessos. E a banda como um todo não deve nada a qualquer outra, largando a mão com uma precisão assombrosa.

Wash no Live Metal Fest II, no Inferno Club

Wash

COMMAND6

E quando eu tinha certeza que todos estavam exaustos e que eu não poderia me surpreender com mais nada, eis que surgem esses sujeitos comandados por Wash, um vocalista com ares de loucura e cujas qualidade técnicas só puderam ser rivalizadas pelo seu carisma e capacidade de se comunicar com o público.

Command6 no Live Metal Fest II, no Inferno Club

Command6

Essa banda assim como as outras, não brinca em serviço. Músicos talentosos, músicas furiosamente executadas e um palco que se apequenou para tamanho profissionalismo.

Festival fechado com Chave de Adamantium!

Command6

Command6

CONSIDERAÇÕES GERAIS

LMF II

LMF II

 O Live Metal Fest II é uma iniciativa fantástica e deve continuar, MAS, diante do fato de todas as bandas terem reportado problemas técnicos quanto ao retorno, é o caso de darem a devida atenção, uma vez que o público também observou questões quanto à irregularidade do som. Ouvi conversas na plateia, fiz perguntas aqui e ali junto ao público, e a despeito do bom feedback pela proposta e pelas ótimas bandas, seria bom darem uma pensada no que fazer para melhorar o som para público e para os músicos. Independente disso, quero deixar claro a todos que o Inferno Club é um lugar INCRÍVEL e mais do que recomendo que vocês conheçam e passem a frequentar cada vez mais; a casa já é referência nas noites de Rock de São Paulo há algum tempo.

Os organizadores do festival têm todo meu apoio pela coragem, pela ousadia e por darem a cara pra bater, apostando em um evento acessível ao público (R$ 20,00 por um dia inteiro) mas se eu realmente quero ajudar de alguma forma a fazer a coisa dar certo, não vai ser com falsos elogios e tapinhas nas costas que vamos esperar por melhoras.

No mais, parabéns às bandas e ao público presente. Espero que com iniciativas como essa, todos comecem a dar mais atenção ao trabalho de bandas autorais. Outro aspecto legal foi ter ouvidos comentários positivos de gente que não conhecia algumas bandas entre as músicas e após o evento. E é pra isso que servem os shows: para prestigiar e conhecer o trampo dos músicos.

Stefanie: Lady Holiness

Stefanie: Lady Holiness

Momento curioso: um garoto que estava mais ou menos perto de mim, ficou meio espantado por ter visto várias pessoas cantando junto com Stefanie, da Holiness. Ele olhava pra mim, olhava para outros fãs cantando e olhava para ela no palco novamente. Isso é bom para as pessoas caírem em si cada vez mais, refletindo sobre o que estão perdendo ao nunca terem ouvido bandas locais e/ou independentes. Não vejo problemas em que gostemos de ver bandas cover vez por outra, além daquelas consagradas na História do Rock. Vejo problemas quando as pessoas só querem ver as famosas lendas do Rock ao vivo, consideram bandas cover a salvação dos eventos e noites de Rock, mas depois reclamam que “não tem bandas novas boas no Brasil”. E quantas realmente conhecemos?

Listem mentalmente quais bandas nacionais de Rock (as recentes, por favor) vocês conheceram, ouviram ou assistiram nos últimos 12 meses e avaliem a si mesmos com honestidade. Saibam que vocês são os maiores responsáveis pelo renascimento ou pela morte da cena. Pensem nisso.

Fontes e Referências: http://www.infernoclub.com.br/

https://www.facebook.com/InfernoClube – https://www.facebook.com/livemetalfest

https://www.facebook.com/HolinessBrasil – https://www.facebook.com/hammathaz.brasil

https://www.facebook.com/ForkaOfficial – https://www.facebook.com/TrayceOfficial

https://www.facebook.com/screamsofhate – https://www.facebook.com/command6

“Outro Lado” – Sioux 66 (Vídeo Oficial)

Sioux 66 (Foto: Thomas Henne)

Sioux 66 (Foto: Thomas Henne)

Igor Godoi - Vocals.

Igor Godoi – Vocal.

 Sioux 66 é apenas uma tremenda banda, saibam disso. E como tantas outras no Brasil, acaba perdendo um pouco de espaço para toneladas de bandas cover nas baladas de Rock da vida. Sim, bato novamente nessa tecla: gosto de algumas (poucas) bandas cover, considero super válido, não serei hipócrita de dizer que não gosto e amanhã ou depois, um de vocês topa comigo no Manifesto ou no Inferno Club bebendo e aproveitando a programação 90% cover – porque no final das contas, não tem jeito de fugir mesmo. Mas é algo burro e absurdo ignorar bandas autorais como essa. Que puta trampo bem feito!

 Resumindo os achievements recentes dos caras: eles “só” ficaram em 17º lugar entre as 25 bandas finalistas do Sweden Rock Festival 2013, no qual concorreram com mais de 1.500 bandas inscritas do mundo todo e que ficaram pelo caminho. “Só isso”. Eu votei nos caras, falei deles pra meio mundo, troquei uma ideia super rápida com o Bento (um dos guitarristas e responsáveis pelo Lokaos Rock Show – que por sinal muito admiramos e somos fãs) pelo Facebook em fevereiro desse ano (fui olhar o histórico e editei aqui, tinha colocado 2012, sorry), e eu só não tinha produzido nada sobre eles – até agora.

Fernando Mika - Guitar.

Fernando Mika – Guitarra.

 Segundo a própria Sioux 66, suas influências são: Guns N’ Roses, Rolling Stones, Ramones, Sex Pistols, Metallica, Kiss, Alice In Chains, Motorhead, Velvet Revolver, Skid Row, Ozzy e Sixx: A.M.

Fabio Bonnies - Baixo.

Fabio Bonnies – Baixo.

 “Boas referências não são garantia de boa música” – Concordo totalmente. Mas esse é um daqueles casos em que a banda faz jus às mesmas. O bom gosto é bastante perceptível em todos os detalhes dos arranjos e da produção.

Gabriel Haddad - Bateria

Gabriel Haddad – Bateria.

Bento Mello - Guitars.

Bento Mello – Guitarra.

 Para quem não acredita em Hard Rock visceral em Português, daqueles que beiram e até mesmo se mesclam venenosamente ao Heavy Metal, com sérias pitadas Punk Rock, segura essa porrada na orelha!

“Outro Lado” Sioux 66 (Vídeo Oficial)

P.S. – Quem sabe agora que está tocando no rádio, o pessoal dê mais atenção, não é?

Fontes: http://sioux66.com.br/

https://www.facebook.com/sioux66oficial

Resposta a Jack Endino

O QUE DISSE JACK ENDINO EM SUA PÁGINA DO FACEBOOK?

 “Brazilian bands!!! WHY ARE YOU SINGING IN ENGLISH? I CAN NEVER UNDERSTAND A WORD OF IT! What is the point of this? It will not give you success outside of Brazil, and I don’t see how it can give you success INSIDE Brazil. Yes, I know Sepultura did it, but their English was excellent, their lyrics were good, and they were on an international metal record label. Who else has done it? I am really baffled and puzzled by this.” – Jack Endino

 Resumindo: nos questiona por cantarmos em Inglês; diz que não entende uma única palavra do que cantamos; fala que não entende o objetivo e que isso não nos levará ao sucesso fora do Brasil. E que não vê como isso trará sucesso dentro do Brasil. Segundo ele, somente o Sepultura presta, tem boa proficiência em Inglês e boas letras, além de terem assinado com um selo internacional. “Quem mais fez isso?”, questiona Jack Endino.

SOBRE O DOMÍNIO DO IDIOMA

 Olha, francamente não faço ideia sobre quais bandas ele está falando, mas a primeira impressão é de que há bem mais do que exagero no ar. Quase xenofobia. 

 Nosso Inglês é sofrível enquanto estivermos nos referindo à população de uma maneira geral, certamente. Posso afirmar isso de cátedra pois sou professor de Inglês há quase 20 anos. Não falo isso para me exibir – grande coisa, há um monte de professores de Inglês no Brasil -, falo isso para apresentar previamente o embasamento do que direi a seguir.

 Cansei de ver pessoas que se acreditavam “fluentes”, não serem literalmente mais do que alunos básicos – e daqueles bem ruins. Mas nenhuma delas exercia funções nas quais o Inglês fosse imprescindível, como se dá com vocalistas brasileiros que cantam em Inglês. Muitos de nossos vocalistas não apenas dominam duas línguas, como são também pessoas de enorme cultura, Jack Endino. No Brasil, o Rock é esmagado pela perfídia de homens como você, que fazem questão de manter as “castas inferiores” subjugadas e ignorantes. Precisamos de muito preparo para trabalhar e defender nossas crenças, apurando nossa habilidade mental e capacidade de retórica.

 Nosso povo é fartamente exposto ao que há de pior, na sua e na nossa cultura, logo, poucos precisam assumir a responsabilidade de falar por muitos. Isso demanda estudo, inteligência, tolerância, respeito e, principalmente, Honestidade, Disciplina e Amor pelo que se faz. Falo de artistas, não de políticos.

 Em várias regiões de lugares como Estados Unidos e Reino Unido, o domínio do idioma em geral é risível, a pronúncia vai além do sotaque e pisa firmemente com os dois calcanhares no ERRO, mas nem por isso vejo alvoroço para se usar tal argumentação contra bons trabalhos de bandas locais. Quer um exemplo de pronúncia questionável? Adoro James Hetfield, por exemplo, mas cantando, ele engole tanta letra, sílaba, tem cada pronúncia engraçada, praticamente inventa palavras… e nem por isso vou dizer que a banda é uma merda e que ele não canta bem. Criaram até memes sacaneando essa característica dele em 2012, você deve ter visto por aí, Endino. Ou talvez não, para você isso deve ser coisa de brasileiro.

 Vejo vocalistas de bandas alemãs, italianas, finlandesas, suecas, holandesas e outras tantas, apresentarem domínio idêntico ao dos nossos vocalistas, mas não me recordo de um único ataque nesse tom humilhante e depreciativo. E elas também não mereceriam.

SOBRE AS LETRAS

 Outro aspecto terrível no que você disse, nada tem a ver com a proficiência do idioma. Para você, somente o Sepultura tem um bom Inglês e letras boas? Como assim, Endino?

 Jack, Sepultura é legal, mas gostaria de entender qual a grande “genialidade” das letras deles. São boas sim, só que não chegam a ser um diferencial, algo que valha como argumento da maneira que você o fez. Li todas elas e sei do que estou falando. Já você, não deve ter lido muitas letras de bandas brasileiras que cantam em Inglês. Quer falar das clássicas do Metal Brasil? Vou te dar um único exemplo: VIPER. Nessa banda, Pit Passarell é um daqueles que sozinho, deu (e dá) um banho em tudo que muita gente escreveu até hoje. E não estou colocando somente o Sepultura na roda, mas várias bandas do mundo todo. Se você não o conhece, azar o seu.

 Nesse ponto, você está claramente misturando “gosto pessoal” com “qualidade literária”. Ficou parecendo um garoto que é fã de Ramones (que também adoro) e que por isso, diz que Johnny Ramone  é “o melhor guitarrista do mundo” – porque é sua banda preferida. “Se eu gosto é o melhor; senão é uma porcaria.” – traduzindo, é isso que muita gente pode estar pensando de você, inclusive eu.

 Fui vocalista e imagino como muitos colegas devam estar se sentindo. Fiz questão de escrever essa “resposta” para pontuar a posição do Rock Universe em relação ao que disse Jack Endino. Escrevi por nós vocalistas. Sim, “fui vocalista”… mas nessa hora, no momento em que alguém se levanta contra a classe dos músicos de Rock brasileiros, dessa forma desrespeitosa, intolerante, infeliz, preconceituosa, realmente volto a “ser vocalista”, mesmo que anônimo, mesmo que o suficiente apenas para redigir um texto apressado em tom pessoal.

 Não farei uma versão em Inglês por uma razão muito simples: Jack Endino não merece meu esforço nesse sentido. Falo contra ele, mas fiz esse desabafo por  vocês e para  vocês. Vocês, fãs e músicos brasileiros de Rock. 

 Fonte: https://www.facebook.com/jackendinopublicpage