50 Anos de Doro Pesch – Long Live The Metal Queen!

Doro Pesch Young

Doro Pesch: Fase Warlock.

 Em 3 de junho de 1964, nascia em Düsseldorf, Alemanha, a mulher que se tornaria uma das mais importantes referências para o mundo do Hard Rock e Heavy Metal: Dorothee Pesch.

 Desde os primórdios com a banda Warlock, Doro Pesch já se destacava não por sua juventude, beleza e sensualidade (o que era um recurso até muito comum entre outras bandas com mulheres entre seus integrantes na época), mas fundamentalmente por sua indiscutível aptidão como vocalista e compositora, além de ocupar uma função muito pouco frequentada por mulheres em bandas de Rock com pegada mais agressiva – afinal de contas, estamos falando de 1982, ok?

 Emplacou músicas que viriam a se tornar verdadeiros clássicos do Metal. Hits como Burning The Witches, All We Are, Für Immer, East Meets West e I Rule The Ruins, viriam se unir futuramente a músicas igualmente impressionantes em sua carreira solo, tais como Rock OnUnholy Love, Hellraiser, Fall For Me Again e We Are The Metalheads (hino composto por Doro em comemoração aos 20 anos do Wacken Open Air Festival), entre tantas outras grandes composições que estão presentes ao longo de toda sua discografia. 

Doro Pesch, The Metal Queen.

Doro Pesch, The Metal Queen.

 Claro que não estamos falando da Alta Idade Média, mas imaginem como não era exatamente fácil há 30 anos, uma mulher convencer fãs e empresários de Rock, de que estava realmente à altura do desafio de liderar uma banda de Heavy Metal. Além do mais, não podemos nos esquecer de que o início dos anos 80 foram cruciais para o estilo e foi nesse contexto que se deu a ascenção dessa pequena alemã que mal saíra da adolescência. Se hoje em dia as mulheres estão cada vez mais presentes em bandas de Hard e Heavy, em funções antes totalmente dominadas por homens, saibam que Doro Pesch pode e deve ser considerada a grande matriarca dessa “pequena” revolução cultural no meio musical. Sob o comando de sua voz linda e marcante, o cenário musical começou a mudar bastante para as mulheres. Não é à toa que essa bela jovem de 50 anos foi aclamada mundialmente por uma alcunha que mescla carinho, reconhecimento e devoção: Metal Queen.

Doro Pesch

Doro Pesch.

 Fora dos palcos e dos estúdios, Doro tem interesse em pintura e artes gráficas, mantém atividades diversas como praticar boxe tailandês e participar ativamente de causas sociais ligadas aos direitos das mulheres – com a ONG Terre de Femmes - e também aos direitos dos animais – fazendo parte inclusive do grupo PETA. Suas conhecidas “roupas de couro” por sinal, não são de couro: tratam-se de imitações sintéticas desenhadas e produzidas pela própria Doro em prol de reafirmar seu discurso de proteção por nossos amados irmãos animais.

Doro Pesch: Rock On!

Doro Pesch: Rock On!

 Ainda que apontada como Rainha do Metal, ela explicita com extrema simplicidade seu Amor incondicional pelos fãs em toda e qualquer oportunidade, curvando-se diante de uma verdadeira legião de súditos, indo até eles durante os shows e deixando-se abraçar enquanto canta e se declara, como eu mesmo testemunhei pessoalmente quando esteve este ano no Brasil. Eu disse fãs? Pois saibam que Doro prefere… bem, na verdade faz questão de nos chamar de família a todo momento. Essa é a grande verdade.

 Não há atributos que melhor definam a Nobreza de uma alma que Compaixão e Humildade. E o espírito de Doro Pesch faz jus ao seu título de Metal Queen indo muito além da música.

All Hail The Metal Queen! Long Live Doro Pesch!

Fontes:
http://www.doromusic.de/
http://www.terre-des-femmes.de/
http://www.peta.org/international/

THE LOVE I NEVER HAD – Ivan Busic (Clip Oficial)

Ivan Busic The Love I Never Had Rock And Road

Foto teaser de Ivan Busic no clip “The Love I Never Had”.

Não que eu nunca tenha falado isso antes, mas Ivan Busic possui um talento musical que parece ser inesgotável – para nossa sorte. Seja como baterista do Dr. Sin, ao lado de Andria Busic e de Edu Ardanuy, em apresentações ao vivo, em estúdio, dando aulas de bateria, em workshops, participando de projetos ou agora também como vocalista em sua carreira solo com o álbum Rock and Road, fica uma vez mais evidente que esse sujeito tem não apenas talento de sobra, mas uma paixão sem igual pelo Rock N Roll.

Claro que muitos de nós já conhecemos as aptidões musicais de Ivan há anos, ele nunca fez segredo do fato de ser um músico completo. Ainda assim, é sempre gratificante poder ver que além de ser um dos melhores bateristas do Brasil, o cara é versátil a ponto de compor músicas fantásticas, fora da pegada consagrada do Dr. Sin, e ainda se mostrar um vocalista de primeira linha!

Falando em vocal, ao longo das faixas de Rock and Road, em mais de um momento Ivan me remete a David Coverdale (Whitesnake), o que por si só já é um grande mérito. Mas o fato é que as composições são realmente muito boas em todos os seus detalhes, um trabalho inspirado como poucos hoje em dia. O disco carrega uma forte influência Hard, flertando também abertamente com Folk e Blues – como ele mesmo chegou a declarar em entrevistas – ignorando fronteiras que podem tornar o Rock algo chato, monótono e bitolado. Isso apenas comprova novamente que quando falamos de Rock, estamos falando de um universo muito maior do que esses “guetos” ridículos que tantos defendem e atacam em nosso meio.

Mas voltando ao lançamento do clip, The Love I Never Had é a faixa de abertura de Rock and Road, contando com a participação certeira de seus famosos companheiros de Dr. Sin: seu igualmente talentoso irmão Andria Busic e, naturalmente, o grande Edu Ardanuy (com um solo de lavar alma!). O clip ficou muito bom, super bem produzido e com uma fotografia de extremo bom gosto. Quanto à música então… Bem, a música é uma puta aula de Rock pra ninguém botar defeito.

Álbum: Rock and Road.
Produção: Andria Busic.
Lançamento: Unimar Music.
Vídeo clipe: Pier 66 Produções por Plinio Scambora.

Quer ver outro clip de Ivan Busic? Rock On: http://rockuniverse.wordpress.com/2014/03/24/you-rule-my-world-ivan-busic-video-oficial-3a-faixa-do-cd-rock-and-road/

Fonte: http://drsin.com.br/rock/

“Mick James Is Dead” – Novo CD de Mick James

Mick James Is Dead

Mick James Is Dead

 Mick James ataca novamente com o seu Rock permeado por guitarras de peso e harmonias muito bem amarradas, remetendo a cenas de filmes de terror. Mas dessa vez trata-se de seu primeiro disco solo: Mick James Is Dead.

 Com uma produção acima da média, fruto de sua já vasta experiência como músico, produtor e engenheiro de som, Mick consegue uma vez mais envolver os fãs com uma sonoridade perturbadora, quase visível, praticamente tangível.

 Todos os elementos que fizeram com que se tornasse ainda mais conhecido através da trilha sonora do programa de Criss Angel, MindFreak, estão presentes e ainda mais depurados. Além do estilo de Mick em si, timbres e efeitos criam uma atmosfera que já é marca registrada de seu trabalho.

 Mick James Is Dead é composto por 15 faixas:

1- Goodnight!;
2- Speeding Like A Fiend – com Dave “Snake” Sabo (Skid Row);
3- 911 / Guess What Your Dead – com Tony Harnell (TNT);
4- Wake Up Dead & Gone;
5- Rippers Speech;
6- Piss On My Grave – com Bobby Rondinelli;
7- She’s Comin Ta Getcha /Necrophilia (The Necromanic) – com B. Rondinelli;
8- Another Cup of Coffee?;
9- Die Mother Fucker Die!;
10- It’s On!;
11- I Don’t Fight Fair;
12- Had Enough I”d Rather Be Dead;
13- Reality Check / I Can’t Get No Rest In Peace – com Ron “Bumbleefoot” Thal & Bob Rondinelli;
14- My Life Before Me;
15- Crash – com Bob Rondinelli.

 Há também um vídeo para uma das músicas, que funciona também como um pequeno, mórbido e divertido curta.

Speeding Like A Fiend - Mick James (Official Video)

E para quem quiser conhecer um pouco mais sobre a carreira de Mick, já publiquei sobre ele aqui: http://rockuniverse.wordpress.com/2012/09/10/quem-diabos-e-micky-james/

Fontes & Referências:
Novo Site: http://mickjamesisdead.com/
Site Oficial e Loja -> http://www.mickyjamesfos.com/
Reverbnation -> http://www.reverbnation.com/mickyjamesfos
Facebook -> http://www.facebook.com/pages/MICKY-JAMES-OFFICIAL-FAN-PAGE/103779476342876?ref=mf
Twitter -> http://www.twitter.com/Mickjamesbitch
MySpace ->http://www.myspace.com/freedomofspeechrecordingstudio
YouTube -> http://www.youtube.com/MickyJamesFOS

YOU RULE MY WORLD - Vídeo oficial da 3ª faixa do CD Rock And Road de Ivan Busic

Foto Ivan Busic

Ivan Busic: Rock And Road.

 Ao que tudo indica, a família Busic padece de algo chamado “amor incurável pelo música”. O DR SIN mal regressou do Motorcycle Rock Cruise e Ivan Busic já lançou oficialmente o primeiro clip de seu primeiro trabalho solo, o fantástico disco Rock And Road.

 Logo que ouvi o CD pela primeira vez, fiquei com a sensação de estar ouvindo algum vocalista clássico de Hard Rock. Em vários momentos algo me remeteu a David Coverdale. Dias depois, ouvi alguns amigos e colegas dizendo a mesma coisa. Isso sem falar que é uma música melhor que a outra, putz… bom, mas isto não é uma resenha do disco já lançado, estou aqui para falar do vídeo, não é mesmo?

 You Rule My World é a 3ª faixa do disco solo de Ivan e apresenta o mesmo como um vocalista absolutamente preciso, coeso, seguro, afinadíssimo e com um timbre sensacional. As cenas do clip misturam momentos de ensaios e gravações no estúdio Sonata 84, com cenas de camarim e shows no Manifesto Rock Bar. A produção é do Coletivo TR3S Produções e o Rock N Roll de Ivan Busic é altamente contagioso. Aperte o play e caia na estrada.

You Rule My World - Ivan Busic (Vídeo Oficial)


Fontes: perfil e assessoria oficial de Ivan Busic -> https://www.facebook.com/ivan.busic.5682

INTACTUS – O novo CD do DR SIN

DR SIN - INVICTUS

DR SIN – INVICTUS

Os Doutores do Rock não param um único segundo e já estão com um novíssimo disco engatilhado: INTACTUS.

É sempre gratificante constatar que veteranos do naipe de Andria Busic, Ivan Busic e Edu Ardanuy têm muito mais fôlego e amor pela música que muito moleque por aí. Mais do que gratificante, é um verdadeiro alívio.

Segue logo abaixo um breve depoimento de Ivan Busic sobre o novo trabalho dessas verdadeiras lendas vivas do Rock Brasil:

 DR SIN é um power trio que desde sua formação em 1992, nunca sofreu mudanças em suas bases! Continuamos ao longo de todos esses anos, unidos e “intocados”, “impolutos”, “ilibados” e este é o significado deste nosso mais novo trabalho: “INTACTUS”. “INTACTUS” vem ao encontro com toda a essência que eu, Andria e Edu buscamos durante toda nossa carreira. Nunca nos vendemos por modismos e nunca levantamos nenhuma bandeira. Amamos o rock e sempre quisemos disseminar a verdadeira alma do nosso trabalho.” – Ivan Busic, baterista.


Pelo que nós só podemos ser eternamente gratos, Ivan. Aguardamos ansiosamente a nova porrada. Rock on!

Fontes & Referências:
1 – Assessoria oficial do DR SIN;

DORO 30 Years Strong and Proud

Doro Pesch
Doro Pesch

 Isso mesmo: uma não-resenha. Por que? Porque se tornou muito fácil e ao mesmo tempo, monótono. Fácil, porém chato, vamos admitir. Além do mais, o que há para ser dito sobre essa mulher que praticamente todos os fãs de Heavy Metal já não tenham lido ou ouvido, não é mesmo? E sendo assim então, o que falar desse show no Carioca Club, em Sampa Rock City?

Bom, primeiramente ele me fez sair de casa mesmo tendo passado por uma semana de cão, com todos os típicos problemas modernos a que estamos acostumados, só que “tudo ao mesmo tempo agora” como dizem. Mas ainda assim, valeria muito o esforço ver a grandiosa Metal Queen, Sua MajestadeDoro Pesch, ao vivo no ano em que completa 50 anos de idade e 30 de carreira – e justamente no Dia Internacional da Mulher.

A única coisa técnica que vou dizer é a seguinte: som perfeito. Voz, guitarras, teclados, baixo e bateria. Dos clássicos às músicas de seu último álbum, é notável a presença de palco e entrosamento entre os integrantes da banda. E de onde essa mulher tira tanto fôlego e afinação? Que potência soberba! Que voz linda, cheia de drives charmosos e nuances que nos seduzem os ouvidos… mas voltemos à não-resenha.

Eu observo muito, demais mesmo, as pessoas em qualquer lugar, inclusive shows. Imprensa, equipe de som, público e por aí vai. Por mais que eu idolatre o artista que estiver se apresentando, ter percepção de como as pessoas reagem e interagem é sempre importante. Nesse quesito, Dorothee Pesch faz da audiência uma parte essencial da banda. Entendamos uma coisa: se ela estiver em um palco e você na platéia, você faz parte da banda.

Qualquer fã dessa mulher já sabe que ela é extremamente simpática, amorosa e absolutamente paciente com todos – digo isso pois o assédio dos fãs, principalmente dos homens, geralmente margeia a ousadia. Sabem aquele “quase” que você vê em vários momentos? Então.

Ainda assim, ela desce do palco, sobe na grade, se deixa abraçar, o pessoal segura em seus ombros, braços, passa a mão em seu cabelo, alguns fazem carinho em seu rosto… e ela não recua ou recusa! Sua confiança e certeza de que irão respeitá-la, é tremenda. Mais do que isso: sua paixão pelos fãs é o começo, meio e fim para tudo. Os “quases” que vi durante essas aproximações no show, são “quases” justamente por essa aura de respeito que ela tem pelos metalheads, no que acaba sendo retribuída. Como se dissesse nas entrelinhas “vocês são a minha família, amo todos do fundo do coração… vocês não vão trair esse amor, sei disso.” – Daí eu pergunto: como não admirar Doro em todos os sentidos? Até mesmo porque ela costuma dizer isso em TODOS os shows, entrevistas e declarações.

Doro, Doro Pesch, Dorothee Pesch, Metal Queen… apelidos, nomes e títulos para alguém que ascendeu no mundo da música no início dos anos 80 e ainda permanece humilde como uma aspirante. Eu simplesmente não consigo expressar minha satisfação ao ver essa lenda viva do Metal de perto pela segunda vez, mas agora em um palco, que é seu trono por direito. Testemunhar toda aquela troca de energia, pessoas dos 18 aos 50 e poucos, cantando, saudando, sorrindo e brindando, explica muito sobre Doro.

Doro Pesch: Metal Queen

Doro Pesch: Metal Queen

O que eu trago aqui, é apenas o resumo de um fã. Listar músicas e fazer comentários técnicos… bom, é algo que até estou acostumado a fazer, mesmo sendo trabalhoso. Com bandas em ascenção, tenho muito mais prazer e até vejo mais sentido, afinal de contas, quero que as pessoas as conheçam. Mas fazer isso com bandas e artistas já consagrados, além de redundante, muitas vezes perde o sentido. Prefiro falar de aspectos humanos longamente e do show em si de maneira seca e direta. Sim, o show foi absolutamente foda e eu não esperava menos.

Doro Pesch tem a mesma importância de Dio em minha formação musical – e quem me conhece, sabe que isso é o máximo dentro do máximo, fazendo dela A Deusa do Metal, tanto quanto Ronnie James Dio foi e sempre será O Deus do Metal. Todos os requisitos estão presentes em sua música e suas atitudes: qualidade, talento, humildade e muito, muito amor pelos fãs. Por esses e outros tantos motivos, esta não é uma resenha do show de Doro Pesch. É apenas o meu muito obrigado à vocalista que é simplesmente a personificação de tudo que há de melhor no mundo da música. 

Raise Your Fist In The Air – Doro Pesch (Official Video)

ROCK ON, DORO!!! \m/

Fontes & Referências: http://www.doromusic.de/index2_en.php

Homenagem a Hélcio AguirraHerói da Guitarra e Mestre do Rock

Hélcio Aguirra em 1984, tocando no Harppia

Hélcio Aguirra tocando na banda Harppia (1984). (Crédito: acervo pessoal online de Hélcio Aguirra)

 Não importa em que momento da vida certas… viagens aconteçam. A sensação é sempre de que “foi cedo demais”. E desta vez foi com um dos mais queridos, talentosos, dignos e importantes guitarristas da história do Rock Brasil: Hélcio Aguirra.

“Sua estreia em disco se deu com o EP A Ferro E Fogo, lançado pelo Harppia em 1985 e até hoje considerado um dos principais discos da história do Heavy Metal nacional. Em seguida, Hélcio criou o Golpe de Estado, que acabaria se tornando um dos principais nomes do Hard Rock brasileiro. A banda gravou oito discos: Golpe de Estado (1986), Forçando A Barra (1988), Nem Polícia Nem Bandido (1989), Quarto Golpe (1991), Zumbi (1994), Dez Anos Ao Vivo (1996), Pra Poder (2004) e Direto do Fronte (2012). Paralelamente, participou do grupo de Rock instrumental Mibilis Stabilis, que lançou três álbuns, Mobilis Stabilis (2001), Extra Corpore (2006) e Andando No Arame (2009).” – Site da Revista Roadie Crew.

Katalau e Hélcio Aguirra: Golpe de Estado tocando no Dama Xoc.

Catalau e Hélcio Aguirra: Golpe de Estado tocando no Dama Xoc. (Crédito: acervo pessoal online de Hélcio Aguirra)

 Ainda moleque no Rio de Janeiro, lembro quando ouvi pela primeira vez as guitarras do Golpe de Estado. Trocava de canais freneticamente, quando em um canal praticamente irrelevante na grade televisiva, me deparo com o clip de Noite de Balada: um Hard quente, elétrico, legítimo, convincente, inesperado… fora do comum no melhor sentido possível. Letra 1.000% Rock ´N Roll e um instrumental que me deixou muito surpreso. As linhas de baixo de Nelson Brito e a pegada poderosa de Paulo Zinner na bateria formavam uma cozinha que não devia nada a qualquer banda estrangeira. Evidente que o vocal de Catalau, totalmente despojado, desencanado e naturalmente agradável, chamou minha atenção – e numa época em que eu só ouvia e tentava reproduzir vocais cheios de virtuosismos. Contudo, repentinamente, um timbre de guitarra capturou totalmente minha atenção. Quem seria aquele sujeito por trás das seis cordas?

Noite de BaladaGolpe de Estado (Vídeo Oficial)

 Resultado: passei um bom pedaço da tarde tirando (ou tentando tirar) aquela música cujo refrão e solo nunca mais sairiam de minha mente. Pouco depois, tive contato com algumas matérias sobre o Golpe de Estado – aliás, ainda sigo até hoje achando esse nome genial – e naturalmente sobre Hélcio Aguirra, uma verdadeira lenda da guitarra no cenário do Rock Nacional. Conheci outras tantas músicas do Golpe, algumas do Harppia, lia diversas matérias e ficava absolutamente fascinado pelo nível de conhecimento dele, não apenas na execução do instrumento, mas também no tocante a equipamentos. Eu lia avidamente toda e qualquer entrevista ou coluna em que ele estivesse. Eu ainda não sabia muito, mas minha intuição me dizia para ouvir quando ele falasse.

 Eu pensava “nossa, o que esse sujeito faz na guitarra, da maneira que fica marcado na gente… parece coisa do Tony Iommi: riffs fodas, solos inesquecíveis e ainda essa Gibson SG”. Não custei muito a descobrir que não era incomum que ele fosse comparado ou associado ao maior de todos os riff masters como o “nosso Tony Iommi”. Com toda justiça, diga-se de passagem.

Tony Iommi e Hélcio Aguirra

Tony Iommi e Hélcio Aguirra. (Crédito: Vitão Bonesso)

 Olhar para o Rock no Brasil sem Hélcio, ao menos para mim é muito estranho. Mais do que estranho: é pesado e não no sentido musical. É esmagador. Cruel. Doloroso.

Na história do Rock brasileiro tivemos e ainda temos bandas e músicos fantásticos… mas agora, não temos mais a grandeza de Hélcio Aguirra e isso machuca demais. Um músico como poucos e um ser humano reconhecido pela boa índole e camaradagem. Um poeta das 6 cordas. Um professor sem igual e com a humildade de um aprendiz.

Caso SérioGolpe de Estado (Áudio Original)

Nunca cheguei a conversar com ele pessoalmente, apenas pelo Facebook brevemente uma ou duas vezes, mas ele foi gentil de uma forma que chegou a me deixar sem graça. Conheço algumas pessoas que foram próximas ao Golpe de Estado ainda na época do Catalau e todas sempre foram categóricas: ele era gente boa demais. Quer dizer, a admiração e respeito cultivados desde garoto, aumentaram ainda mais em âmbito também pessoal.

Hélcio Aguirra, guitarrista e fundador do Golpe de Estado.

Hélcio Aguirra. (Fonte: acervo online do Golpe de Estado)

 Hélcio, com a sua música você inspirou muitos romances e agitou incontáveis baladas. Estampou sorrisos e emocionou muitos de nós. Nunca desistiu da árdua tarefa de ser músico de Rock no Brasil. Foi muito além da obrigação de poeta da guitarra e fez de sua arte um sacerdócio de amor pelo Rock ´N Roll. É assim que o vejo. E certamente é assim que será lembrado. Descanse em Paz, grande e querido Mestre. Sua imortalidade está garantida entre nós.

Olhos de GuerraGolpe de Estado (Áudio Original)

Fontes e referências:
http://www.golpedeestado.com.br/
http://www.bandaharppia.com.br/home.html
http://www.roadiecrew.com/
http://kissfm.com.br/
https://www.facebook.com/helcio.aguirra
https://www.facebook.com/bandagolpedeestado

Outras homenagens que merecem ser compartilhadas:
Rodrigo Branco (Rádio Kiss FM): http://hoplitaurbano.wordpress.com/2014/01/22/golpe-profundo-a-despedida-repentina-de-uma-heroi-brasileiro-da-guitarra/
Felipe Machado (Viper): http://www.palavradehomem.com.br/?p=2308
Régis Tadeu (Produtor, jornalista e crítico musical): http://br.omg.yahoo.com/blogs/mira-regis/descanse-em-paz-helcio-aguirra-145358550.html